Centenas de atletas do Ateneu dão grande espetáculo em Sarau Gímnico

Filmes como os Piratas das Caraíbas, Música no Coração, Os Smurfs, Grease, Minions, foram representados, a rigor, pelas classes de formação e de competição

1.196

Centenas de atletas deram um grande espetáculo na Praça de Toiros do Cartaxo, esta quinta-feira, 15 de junho, o tradicional sarau gímnico do Ateneu Artístico Cartaxense, que ali se realiza há quatro anos. Ontem, metade da praça estava cheia para assistir ao espetáculo “A sétima arte e o mundo do cinema”, onde os ginastas apresentaram musicais retirados do cinema. Filmes como os Piratas das Caraíbas, Música no Coração, Os Smurfs, Grease, Minions, foram representados, a rigor, pelas classes de trampolins, tumbling, motricidade e aerosaltos.

A arena da Praça de Toiros voltou a estar ocupada com aparelhos de ginástica usados, nesta noite de final de época desportiva do AAC, por centenas de atletas treinados pelos professores Ana Guimarães (Nucha), Edite Silva, Filipe Costa, Sofia Afonso e Andreia Jesus. A apresentação do espetáculo coube, como é habitual, à presidente da direção Maria João Oliveira, fantasiada de Chapeleiro Louco da Alice no País das Maravilhas, que ao Jornal de Cá revelou estar muito satisfeita com os resultados desta época e com esta noite de espetáculo. “Temos casa cheia com todos os pais e familiares, mas gostávamos que fosse um espetáculo aberto a toda a população, porque esta também é uma forma de angariar alguma receita para o material que é tão necessário”. Maria João lembra que “tanto a nível deste evento, como nos resultados dos atletas nas competições, tem sido cada vez melhor, o que revela a qualidade do trabalho que é feito. E arrisco-me a dizer que somos o clube com o material mais ultrapassado do que qualquer outro clube que participe nas grandes competições, mas temos conseguido lugares de pódio, o que é excelente”, reconhece.

Os atletas mostraram-se todos muito empenhados nesta noite. “Vai ser muito bom. Acho que vamos conseguir mostrar tudo aquilo que fizemos ao longo da época”, diz-nos, meio envergonhada, a ginasta Vanda, de 14 anos. Por sua vez, David Santana, de 12 anos, atleta de aerosaltos, a participar pela primeira vez num sarau, estava confiante de que “vai ser bom”, até porque treinou com muito empenho. E é com muito empenho e muito trabalho que todos os atletas do AAC medalhados nas últimas competições, em trampolins e tumbling, dizem ter alcançado, e alguns mantido, lugares no pódio. Todos eles indicam ainda o esforço e empenho dos professores “que puxam muito” por eles.

A professora Ana Guimarães treina duas classes, a de aerosaltos, com 46 meninos, dos nove aos 17, e a de tumbling com 28, dos cinco anos até às idades em que podem competir. Diz que para o sarau “não treinaram tanto quanto queriam porque têm campeonatos”, mas estão preparados para “homenagear o público com um bom espetáculo e mostrar um bocadinho daquilo que a gente faz nas competições”. Quanto aos resultados do campeonato “foram ótimos, foram o que nós perspetivámos”, revela. “Nós temos três juniores elite, que pertencem à seleção nacional, desses três atletas, uma foi campeã nacional, outro ficou em 3º lugar e outro em 5º. Ainda apurámos mais um júnior elite, portanto para o ano vamos ter quatro atletas neste escalão. Isto significa que num clube pequeno como o nosso existe muito trabalho feito por eles e pelo grupo Ateneu, apesar das condições em que estamos a trabalhar. Para quem está a competir a este nível é uma desvantagem muito grande comparando com outros atletas que treinam em pistas com todas as condições”, reconhece.

“Agora vamos ter a Taça de Portugal, que este ano é por equipas, e eu vou levar duas equipas – uma de esperanças e uma de absolutos. Esta competição é mais um apuramento para o Campeonato do Mundo. Neste momento nós temos no tumbling cinco ginastas em apuramentos para o Campeonato do Mundo, dois dos quais já marcaram e estarão apurados – o André Pareike e a Isabel Barba”, revela a treinadora.

Também para a professora de motricidade e tumbling, Edite Silva, “este ano foi bom, muito bom. Eles estão muito bem e conseguiram bons resultados. É uma vitória grande. Muito trabalho e muito empenho deles”, visto que “os outros atletas têm materiais em muito boas condições e nós trabalhamos em condições muito inferiores e conseguirmos estes resultados é muito bom”.

Leia Também  Cartaxo vai ter quatro eleitos a tempo inteiro

Filipe Costa, treinador de trampolins, revela que “cada vez atribuímos mais tempo ao nosso sarau para ser um espetáculo apreciado por mais pessoas”, apesar de que “a nossa classe tem como principal objetivo as competições e só quando temos tempo é que trabalhamos a parte recreativa”. “Nos campeonatos nacionais conseguimos cinco medalhas e foi para isso que trabalhámos mais. Foi uma boa prova, que estava dentro dos nossos objetivos e foi uma época que acabou bem. Agora estamos à espera que o Martim Botelho consiga passar ao Campeonato do Mundo, faltam-lhe duas marcas, agora na Taça de Portugal e no Scalabis Cup, depois de ter conseguido as marcas nas outras duas provas já realizadas”. Também Filipe Costa refere que “as condições não são as melhores, no que diz respeito ao material, mas também ao apoio financeiro das deslocações das provas”, reconhecendo que “assim as vitórias são mais suadas, a recompensa é grande”.

Luís Major, vice-presidente da direção do AAC mostrou-se satisfeito com os resultados obtidos nesta época. “Mais um ano mais campeões nacionais, uma prova do trabalho que tem vindo a ser feito ao longo de vários anos. O Ateneu conta atualmente com mais de 500 atletas praticantes nas várias modalidades, sempre a crescer [esta última época desportiva entraram mais de cem alunos]. Cada vez mais o Ateneu é a instituição que apresenta em maior quantidade e melhor qualidade em todo o concelho do Cartaxo. Consegue ter vários campeões nos vários escalões, mesmo com as muitas dificuldades que temos a nível dos equipamentos, que se vão degradando, ano após ano, e os apoios são escassos ou nulos. Só com o apoio dos pais e de algumas empresas é que conseguimos”. Para este responsável da direção do AAC, “toda a parte técnica é mérito dos professores. A qualidade também tem revelado a estabilidade do corpo técnico que se vem mantendo, todos eles ex-ginastas do Ateneu que conhecem bem a casa e espero que aqui continuem, por muitos anos”.

Victor Varejão, presidente da Associação de Ginástica de Santarém, também esteve presente esta noite e quis “dar os parabéns à direção, aos professores e aos atletas, que se esforçam imenso, também fui atleta e sei como é duro sair da escola e ir para os treinos”. Victor Varejão, que reconhece o esforço destes atletas, fez questão de referir que “há muita gente e entidades da sociedade que apoiam estes atletas, mas há um conjunto de pessoas que sem elas a ginástica não existia: são os pais, os tios, os encarregados de educação”.

No próximo fim de semana, 24 de junho, temos a Taça de Portugal, com vários ginastas do AAC a competir, nas modalidades de tumbling e trampolins. Ficamos à espera de dar boas notícias em breve no Jornal de Cá.

Pode gostar também