Rodrigo Serrão apresenta novo disco ao vivo no CCC

324

 

Stick to the Music é o novo disco de Rodrigo Serrão, com apresentação marcada para o dia 11 de fevereiro (sábado), às 21h30, no Centro Cultural do Cartaxo, tendo como convidados especiais Maria Ana Bobone, Fernanda Paulo, Joana pessoa e Andrés Peres.

O músico, a viver na Ereira há quase 20 anos, onde adora viver e as pessoas o encantam, vem ao Cartaxo para um concerto concebido para explorar emoções e viajar através da música do seu novo disco. Rodrigo Serrão, músico, compositor e produtor, é o primeiro artista em Portugal a apresentar um concerto de Chapman Stick – imagine um piano, uma guitarra, um contrabaixo e uma harpa, todos combinados num único instrumento –, e escolheu o Cartaxo para um concerto de lançamento do seu mais recente trabalho discográfico.

Para Stick to the Music, o músico escolheu um repertório que é uma janela aberta sobre quem somos, sobre a paisagem que nos habita e constrói as nossas memórias e vidas – “as noites de Verão e as tardes de Primavera… os campos, as amoras e as silvas…. as casas e os becos, os bairros, os barcos e as traineiras, as gaivotas e o Atlântico… os amores e as paixões… os rebanhos, os cães, os cavalos e a campina…ou a planície e o horizonte! O doirado do trigo ou o cinzento do granito… o orvalho pela manhã… o pôr-de-cada-sol e a saudade”.

Conhecer um instrumento solista de extraordinária riqueza – o Chapman Stick –, assistir à interpretação de peças clássicas e tradicionais de raiz europeia, por um exímio instrumentista, e participar na apresentação do seu novo disco, é o que pode reservar para esta noite. Mas o músico vai mais longe, esperando que este seja “um concerto com emoções, gargalhadas e amigos: em cima e fora do palco. Será a comemoração do lançamento de uma nova fase pelo que simboliza uma oferta, às pessoas que comigo moram aqui, do melhor que tenho para lhes oferecer”. Segundo Rodrigo Serrão, este concerto “será à imagem daquilo que o disco nos pede e as pessoas podem descobrir nos diversos vídeos no youtube: uma viagem de olhos fechados pela música e pelas emoções. Terá um pouco de tudo: Músicas nossas, que nos lembram o que é estar em casa e letras novas que falam de coisas antigas: o amor, a nossa gente, os nossos sonhos. É um pré-lançamento, pelo que convido todos a virem espreitar em primeira mão. O preço é simbólico (3,5 euros) e a viagem é garantida – vão adorar o instrumento! Palavra de ‘Stickista’!”

A decisão de fazer o concerto de lançamento do disco no CCC, “ideia que foi, desde o primeiro instante, abraçada com entusiasmo pela Câmara Municipal”, deve-se ao espaço que o artista acha “lindíssimo, moderno e com todas as condições estruturais para se fazerem concertos musicais. Em vinte anos de músicas pelo mundo inteiro posso-lhe dizer que não fica à sombra de nenhum outro – está bem pensado e adequado à cidade que o alberga” e, onde escolheu viver, “porque respira uma energia que se poderia traduzir por: amizade e qualidade de vida”.

Rodrigo Serrão participou em concertos por todo o mundo e gravou em mais de uma centena de discos. Trabalhando com os mais influentes artistas portugueses do Jazz ao Fado e da Pop à World Music, é um músico numa constante busca de desafios onde possa expressar por inteiro a sua criatividade. Destaca, “dos muitos discos, muitas viagens e muitos palcos, as três mulheres que convidei para cantar no disco. São três artistas que admiro profundamente: a Maria Ana Bobone, a Fernanda Paulo e a Joana Pessoa”.

Leia Também  Cartaxo Sessions: Cows Caos + The Brooms

Relativamente ao instrumento, “ainda muito recente (só foi inventado em 1969)”, explica que “são feitos à mão, um a um, pelo Emmet Chapman, e é um instrumento suficientemente difícil para não haver logo imensa gente a tocar ao fim de umas semanas. Existem cerca de sete mil construídos. A história é no entanto de sucesso tremendo: comparando com o instrumento que mais se lhe assemelha em termos de potencial musical e história, o piano (inventado no século XVIII por Bartolomeo Cristofori), o crescimento tem sido avassalador. Com a vantagem de que o Emmet está ainda vivo e sempre muito presente na comunidade online que se gerou à volta do instrumento”. Rodrigo Serrão chegou a este instrumento “da forma mais caricata que possa imaginar: estava a fazer uma tournée de alguns meses na Áustria e, um dia, sem nada que fazer, “tropeço” num vídeo online que alguém tinha partilhado: a atracão foi imediata, passei esse dia a pesquisar tudo o que podia e, ao fim de alguns dias, estava a ligar para o Emmet a encomendar um – são aquelas paixões que reconhecemos e a que não resistimos”. Isto, depois de um percurso que se iniciou no conservatório de Coimbra com sete anos e “quando acabei o liceu, decidi ir para Lisboa que era, na altura, o único sítio onde se ensinava o instrumento que me encantava: o contrabaixo”. Aos 17 anos foi para o Hot Clube e “ao fim de um ano, começaram a aparecer os convites para tocar. Os primeiros foram logo o Fernando Tordo e, pouco depois, o Carlos Mendes”. Rodrigo Serrão passou pelo Jazz, pela música brasileira e pela música de Cabo-Verde e, “daí até chegar a casa, ao Fado, foi um processo natural: de convite em convite fui tocando com toda a gente. Continuo muito ligado ao Fado: é onde regresso sempre que posso, onde tenho os amigos e os músicos que mais admiro”.

Os três primeiros leitores do Jornal de Cá que aparecerem no CCC com esta última edição do jornal (fevereiro) recebem um convite duplo para este concerto, assim como o último CD de Rodrigo Serrão, Stick to the Music.