“Tem de se lutar pela excelência”

Luís Bastos com um dos ex-líbris da sua Coudelaria, a égua Íris

2.849

Apaixonado desde cedo pelos cavalos lusitanos, Luís Bastos instalou a sua coudelaria na Quinta do Casal das Faias, em Porto de Muge, há dois anos.

“Eu fui criado neste meio, porque era a vida do meu pai. Eu costumo dizer que nasci num curral de gado”, diz, meio a brincar. Entretanto, a sua vida deu uma volta, acabando Luís Bastos por enveredar por um caminho completamente distinto. “Fui para Lisboa, mas sempre tive alguns animais, porque estava ligado a isso. Na zona de Ourém, tive sempre lá umas éguas e, em 2005/2006, decidi vender tudo o que tinha lá, umas éguas, uns poldros, e comprar aquilo que gostava. Comprei cinco éguas de uma linha que me interessava, para começar uma coisa séria. A despesa era a mesma, eles comiam o mesmo, o investimento era maior na fase inicial”.

Leia a reportagem na íntegra na edição de novembro do Jornal de Cá, esta sexta-feira nas bancas!

Pode gostar também