Vinhos & Iguarias do Tejo no Museu do Vinho

A Câmara Municipal do Cartaxo lançou o desafio a dois enólogos e a uma chef de cozinha para criarem um almoço de harmonização com os sabores e os aromas do Tejo

809

O Dia Europeu do Enoturismo foi celebrado à mesa com os vinhos e os produtos da região Tejo em destaque, no Museu Rural e do Vinho do Concelho do Cartaxo, com meia centena de comensais

Para assinalar o Dia Europeu do Enoturismo, a Câmara Municipal do Cartaxo lançou o desafio a dois enólogos e a uma chef de cozinha para criarem, no dia 12 de novembro, um almoço de harmonização que trouxesse para a mesa do Museu Rural e do Vinho, os sabores e os aromas do Tejo. Maria Vicente, enóloga da Casa 1927 e Pedro Gil, enólogo da Adega Cooperativa do Cartaxo, aceitaram o convite e trouxeram os vinhos que conhecem como ninguém, para acompanhar as criações que a chef Madalena Dias, da Cook2Wine, pensou e executou.

A enóloga Maria Vicente recebeu os participantes com o Independente
A Adega do Museu Rural e do Vinho foi o primeiro espaço a acolher os cinquenta participantes no almoço. Recebidos pela enóloga e gerente da Casa 1927, Maria Vicente, para um momento inicial “que pensámos como um primeiro encontro entre todos”, conforme a enóloga explicou – “um momento de partilha, de conversa à volta do vinho, que permita a cada um tirar o máximo partido da prova e das harmonizações que vamos poder experienciar ao longo do almoço, mas também levar consigo conhecimentos que lhe permitam passar a ter ainda mais prazer na descoberta da complexidade dos vinhos”.

Da importância da escolha do copo adequado à prova de cada vinho, “para desfrutar de toda a palete aromática”, passando pela forma de observar as diferentes características de cor e limpidez, até aos cuidados a ter por quem quer manter uma garrafeira em casa, foram muitos os conhecimentos partilhados. A enóloga desafiou ainda os participantes para um exercício – descobrir alguns dos sabores elementares que “devem estar presentes nos vinhos de modo equilibrado” –, pequenos copos continham líquidos onde o amargo, o salgado ou o doce estavam em destaque, aos participantes coube encontrar “sem ajudas” cada um dos sabores.

A encerrar a “introdução teórica”, esteve a primeira harmonização do almoço. À Adega chegaram pequenos barcos miniatura com uma carga de sabores, o Ceviche do Tejo preparado na cozinha ali ao lado pela chef Madalena Dias em Conchas Crocantes que foram parceiras do Independente, espumante da Casa 1927, o bruto e o doce, escolhidos por Maria Vicente para abrir o almoço em ambiente de festa.


Chef Madalena Dias levou à mesa o rio, a lezíria e o bairro para três vinhos únicos da Adega Cooperativa do Cartaxo
No espaço do centro de Promoção Vitivinícola do Museu, já estava a mesa posta – toalhas brancas e copos alinhados à luz da manhã ensolarada de novembro, receberam os comensais que começaram a ocupar os seus lugares. Os primeiros copos a serem servidos, acolheram o Bridão Clássico Branco de 2016, da Adega Cooperativa do Cartaxo, enquanto da cozinha da chef Madalena Dias saiam as primeiras tigelas fumegantes – era a Sopa de Abóbora no Forno com Espuma de Chouriço que entrava na sala.

Leia Também  Cinema às sextas está de volta ao Centro Cultural do Cartaxo

Pedro Gil, enólogo que assina todos os vinhos que foram servidos à mesa, explicou as características dos néctares que selecionou, lembrando como a harmonização entre o vinho e os pratos servidos pode elevar o prazer que cada pessoa tem numa refeição e como as características próprias de cada um dos produtos pode contribuir para o equilíbrio ou para a criação de contrastes únicos – “vinhos e iguarias ganham pela aliança que estabelecem”.

A dar razão ao enólogo, esteve a aliança criada entre o Bridão Trincadeira de 2015, com os Lombos de Fataça de Escabeche na Telha – “uma das harmonizações mais desafiantes que vamos ter hoje à mesa”, assegurou. Já para harmonizar com o Rabo de Boi com Puré de Ervilha e Crocante de Hortelã, que a chef Madalena Dias escolheu como prato de carne, esteve o Desalmado de 2012, vinho tinto de “edição limitada”, que a Adega Cooperativa apresentou publicamente em março deste ano e está entre os melhores dos seus vinhos de excelência.

Para encerrar a refeição, Madalena Dias escolheu uma sobremesa que foi buscar às tradições gastronómicas nacional e ribatejana, transformando-as e criando um prato novo – Sorvete de Pera Bêbada e Arrepiado –, sobremesa que contou nos copos com o Colheita Tardia de 2016, também da Adega Cooperativa do Cartaxo.

O presidente da Câmara, Pedro Ribeiro, afirmou a relevância de “construirmos um Museu Rural e do Vinho que seja um espaço aberto ao encontro de todos os que podem fazer deste um produto âncora para o desenvolvimento sustentável do nosso concelho” – três iniciativas privadas nesta área “Adega Cooperativa do Cartaxo, Casa 1927 e Cook2Wine, estão aqui a abrir caminho a outras que queremos acolher”, destacando o facto de “esta sala ter ficado lotada em tempo recorde”, o que revela o interesse que o vinho e a gastronomia têm enquanto fatores de atração turística de “um concelho que é e se quer afirmar como Ribatejo às portas de Lisboa”.

Pode gostar também