Colónia balnear da Nazaré

Opinião de Frederico Guedes

Ao participar na sessão pública no passado mês de maio organizada pela Câmara Municipal sobre o estacionamento tarifado e possíveis alterações ao tráfego na cidade, acabei por ficar satisfeito com a iniciativa aguardando com curiosidade pelo seu veredito final.

Desde logo há que enaltecer a grande diferença de trato, perante as decisões sobre os assuntos em debate pelo Presidente da Câmara em comparação com anteriores mandatos, pois pelo menos tem a iniciativa de saber ouvir as pessoas diferenciando radicalmente do posso, mando e quero.
Em relação ao estacionamento tarifado há que subdividir o subterrâneo (compreende se a sua urgência em ser pago pois calculo que as suas despesas de manutenção sobrecarrega os já debilitados cofres camarários) e o estacionamento à superfície (que já esteve em funcionamento e que desde logo suscitou opiniões diferenciadas num debate saudável em que o ponto principal de discórdia seria a inexistência de o estatuto de isenção para residentes).
Sinceramente a minha grande preocupação e curiosidade é canalizada para a alteração do trânsito na Rua Batalhoz pois sempre fui um acérrimo defensor do sentido inverso ao que está em vigor ou seja o trânsito a entrar pela Praça 15 de dezembro sem alteração nas ruas adjacentes, pelo que aguardo pela conclusão do estudo de circulação entretanto requerido.
Esta alteração de trânsito seria vital para voltar a reequilibrar o acesso ao Comércio Tradicional ainda aqui existente depois do absurdo em anteriores mandatos, se ter encerrado uma estrada nacional acompanhada da exagerada permissão da abertura de grandes superfícies estrategicamente instaladas com os seus parques de estacionamento, tendo acessibilidades e escoamento deveras favoráveis. No entanto sabemos que infelizmente estes hipermercados liquidam os seus impostos fora do nosso País (!) para conseguirem uma menor carga fiscal e que a sua oferta de empregos é muito precária em que raro são os casos que os funcionários passam a efetivos.
Recentemente a ler a nossa imprensa regional verifiquei numa noticia que a divida da Câmara poderá estar resolvida no ano 2037 e que o seu executivo estava preocupado por haver faturas por pagar sem requisição… Ao continuar a sua leitura acabei por verificar que havia entre outras, dezanove mil euros (!) por pagar à Colónia Balnear da Nazaré…
Como cartaxeiro, apolítico (o meu partido é a minha casa comercial centenária) agora começo a perceber que isto não é nada escandaloso, nem má gestão do nosso dinheiro público, afinal de contas já compreendo porque é que pago oitocentos euros de IMI na Rua Batalhoz, afinal tenho vista para o mar mas em dias limpos… e porque sou de Cá é o que há.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.