5 exemplos de transformação digital

Inovar um negócio é uma ação que requer altos níveis de investimento, no entanto, quanto feito estrategicamente, irá gerar maiores receitas e até aumentar o valor da empresa. A transformação digital em si não é uma solução rápida, mas é muito eficaz, ajudando muitas empresas a crescer através da automatização de processos. Aqui estão 5 exemplos de transformação digital que se revelaram bem-sucedidos para alguns setores:

Inovar um negócio é uma ação que requer altos níveis de investimento, no entanto, quanto feito estrategicamente, irá gerar maiores receitas e até aumentar o valor da empresa.

A transformação digital em si não é uma solução rápida, mas é muito eficaz, ajudando muitas empresas a crescer através da automatização de processos.

Aqui estão 5 exemplos de transformação digital que se revelaram bem-sucedidos para alguns setores:

Finanças – entidades bancárias

Um exemplo da implementação de Big Data e de transformação digital é a iniciativa conduzida pelo banco Santander. A instituição financeira criou uma ferramenta para gerir os dados das pequenas e médias empresas que utilizam o seu POS (Point of Sale Terminal).

A ferramenta chama-se My Commerce e a empresa que a utiliza terá dados, gráficos e estatísticas sobre volume de negócio, consumo médio, hábitos de consumo, comportamento de diferentes segmentos de clientes ou transações.

Ler
1 De 2

Essas informações quando analisadas podem ser decisivas na toma de decisões sobre novos produtos, campanhas de marketing ou melhorias no sistema atual. No ambiente digital, os dados valem ouro.

Entretenimento – jogos de cartas e tabuleiro

No setor do entretenimento, um dos melhores exemplos desta transformação digital é referir a transformação de dois clássicos das cartas e tabuleiro: poker e xadrez.

No caso do poker, esta migração digital trouxe consigo plataformas especializadas, torneios online, interação com a realidade virtual e uma série de novos conteúdos que apenas despoletaram ainda mais a essência do jogo. Além disso, potencializou a própria modalidade, atraindo novos jogadores que podem aprender os conceitos básicos através de guias especializados.

Já o xadrez, também saltou para o digital com tudo. Nesta nova vida, o jogo também cresce em plataformas especializadas, onde é possível aprender a modalidade, praticar contra outros jogadores e também assistir a partidas de forma a entender qual o comportamento em competição. No fundo, tal como o poker, o xadrez também ganhou uma nova bagagem e existem cada vez mais novos praticantes.

Assim, em ambos os casos, a tecnologia sem dúvida que se tornou fundamental.

Saúde e medicina – aplicações de diagnóstico

A MI.BO, startup situada em Santarém, propõe-se a mudar a forma como podemos prevenir potenciais doenças.

Este projeto, fundado pelo indiano Aseem Gupta, pretende potenciar o estilo de vida saudável e ajudar na vertente da medicina com uma ideia que está prestes a ganhar forma, prevê-se que em 2023 esteja operacional: uma aplicação que, com uma ‘selfie’, deteta potenciais doenças.

Em termos práticos, esta aplicação providencia um exame de saúde por mês por meio de uma adesão anual de 12 euros que pode ser adquirida individualmente ou por empresas que disponibilizam o seu acesso aos seus trabalhadores.

Bens de consumo – entregas ao domicílio

O serviço de entrega em casa quase sempre existiu. Tendo o contacto telefónico do espaço de restauração, bastava uma chamada para pedir qualquer prato do menu.

Atualmente este serviço não está sozinho. Através de aplicações como a Uber Eats ou a Glovo, é possível explorar restaurantes e espaço comerciais da zona onde é efetuado o pedido.

Este processo é bastante simples. É preciso realizar o download da respetiva aplicação, ver os espaços de restauração disponíveis, conferir o menu, pedir e comer em casa, com todo o conforto e sem precisar de ir ao restaurante.

São serviços que continuam em expansão em Portugal. Por exemplo, em outubro, o serviço de Uber Eats chegou ao Cartaxo.

Brinquedos – comunidade online

Na procura por novas ideias de produto, a Lego criou a Lego Ideas, uma plataforma que permite aos utilizadores criarem modelos para os novos conjuntos da marca.

Envolver as pessoas, permitindo o envio de ideias online, é um passo em frente na transformação digital. Na plataforma online, os utilizadores propõem ideias, e os conceitos que recebam pelo menos 10.000 apoiantes serão aprovados pela Lego e implementados como um novo produto.

Isto significa que, para além de conseguir implementar a sua ideia, o inventor da ideia receberá 1% das receitas do produto.

Recentemente, foi lançado um farol motorizado, exatamente vindo desta plataforma de ideias.

Com efeito, estes diversos exemplos mostram que a inovação não pára. Além disso, mostra também que o ser humano não se satisfaz apenas com o processo lógico e procura sempre novas soluções para melhorar produtos e serviços.

Por outro lado, é a prova de que as marcas também não se limitam a fazer os mínimos. Estão em procura constante de novos fatores diferenciadores e formas de sobressair num mercado cada vez mais competitivo.

Isuvol
Pode gostar também