A história das bibliotecas no concelho do Cartaxo

Por Ana Margarida da Costa, mestre em História, bibliotecária e arquivista, natural do concelho do Cartaxo (Valada). Autora em 2004, da monografia - O Concelho do Cartaxo, o Vinho, a Terra e o Tejo, editada pela Ferraz & Azevedo / Câmara Municipal do Cartaxo.

A 2 de dezembro de 2023 comemora-se o 67º aniversário da Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita, a única biblioteca pública no concelho do Cartaxo.

A história da biblioteca pública no concelho remonta a 1956, ano da inauguração da Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita, no âmbito das comemorações do centenário do nascimento de Marcelino Mesquita (1856-1919)[1], com o objetivo de “homenagear o eminente escritor e dramaturgo”[2] Cartaxense, descrito por António de Sousa Bastos (1844-1911), em Carteira do Artista (1898), como “inquestionavelmente um dos nossos mais talentosos escritores dramáticos”.

Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita

 

A 13 de agosto de 1946 morreu António Mesquita (1866-1946), proprietário e irmão do dramaturgo Marcelino Mesquita. António Mesquita, solteiro, deixa todos os bens “à querida e amada vila do Cartaxo representada pela sua Câmara Municipal”, incluindo: “uma propriedade [de 1874], situada na Rua Marcelino Mesquita, composta de parte urbana e parte rústica (…) com todas as estantes, livros, mesas e cadeiras existentes nas duas salas”. Segundo o doador, a “Câmara ao aceitar o presente legado comprometia-se a abrir na parte urbana da referida casa uma biblioteca para leitura pública, de todos os livros ali existentes seus” e os “que pertenceram ao seu irmão. (…) Esta biblioteca teria então a denominação de Biblioteca Marcelino Mesquita”[3].

Em 2017, a Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo propôs a criação da Rede Intermunicipal de Bibliotecas da Lezíria do Tejo com o objetivo de partilhar recursos de informação e valorizar o papel das Bibliotecas nesta região do Ribatejo.  Um ano depois, em setembro de 2018, a Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita, enquanto membro fundador, passa a integrar a Rede Intermunicipal das Bibliotecas da Lezíria do Tejo e a ser uma das 11 bibliotecas que disponibiliza à comunidade diversas de sessões de promoção das literacias digitais no âmbito das BiblioTICs e do projeto PADES, em implementação pela Rede com o apoio da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo e financiamento da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB).

A 11 de março de 2022, a Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita passa a integrar a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP), depois de em fevereiro ter sido assinado o protocolo de adesão à Rede, entre a Câmara Municipal e a DGLAB. O Programa da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas foi criado em 1987, com o objetivo de dotar todos os municípios portugueses de uma biblioteca pública, permitindo o acesso à informação, promovendo diversas literacias a uma ampla faixa da população, para além de, favorecer a inclusão e a coesão social, elementos fulcrais da cidadania. Presentemente, a RNBP  é constituída por 250 municípios,  integrando 437 bibliotecas públicas municipais e 60 bibliotecas itinerantes.

Ler
1 De 28
Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita

 

Atualmente, a Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita é constituída por diversas salas, incluindo, a Sala de Referência, Consulta Local e Sala de Leitura, a Sala António Mesquita, a Sala de Leitura Professor Ferreira da Costa que compreende um vasto conjunto de publicações editadas pela Livraria Sá da Costa, a Sala de Audiovisuais e Informática – com acesso à Internet e a Sala de Arquivo – com diversas publicações periódicas, como, o jornal Notícias do Cartaxo (1954-1963), O Povo do Cartaxo e o espólio do dramaturgo Marcelino Mesquita, de que se incluem, fotografias, correspondência, manuscritos e recortes de jornais. Dispõe ainda, de um Salão das Artes com a exposição de obras dos pintores, José Tagarro (1902-1931), Jorge Maltieira (1908-1994) e Eduardo Rosa Mendes (1906-1983) e no seu espaço exterior, o Jardim das Letras, onde se pode desfrutar da leitura ou navegar na Internet. A Biblioteca disponibiliza aos seus utilizadores diversos serviços, incluindo o empréstimo domiciliário, consulta e empréstimo presencial,  promoção de diversas atividades, acesso à Internet e utilização de meios tecnológicos. Dispõe de um catálogo online com acesso na seguinte página – Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita (cm-cartaxo.pt).

Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita

 

Até ao 25 de Abril de 1974, só existia no Cartaxo o Externato Marcelino Mesquita – fundado em 1937 que, depois do ensino primário ensinava os filhos das pessoas mais abastadas. A partir de 1980, com a inauguração da Escola Secundária do Cartaxo (a 17 de novembro de 2023 comemorou o 43º aniversário), o Ministério da Educação passou a ter mais uma escola a administrar, além de, no ano letivo de 1975/1976 ter começado a funcionar o ensino preparatório numa propriedade doada por António Mesquita ao lado da Biblioteca Municipal – a Escola Preparatória José Tagarro, posteriormente, Escola EB 2,3 José Tagarro, hoje, Escola Básica José Tagarro[4].

No início do século XXI é que podemos falar em Bibliotecas Escolares no concelho do Cartaxo, enquanto espaços que proporcionam aos utilizadores recursos e aprendizagens necessários à leitura, acesso, uso, produção da informação e conhecimento, beneficiadas em parte, pela criação dos Agrupamentos Escolares e pela integração na Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) – programa criado pelos Ministérios da Educação e da Cultura em 1996 (Despacho conjunto n.º 184/ME/MC/96, de 27 de agosto). Desde 2003 e, segundo o Decreto-lei n.º 7/2003, de 15 de janeiro, a coordenação da política educativa passa a ser da responsabilidade do Conselho Municipal de Educação do Município do Cartaxo, órgão colegial de intervenção nas comunidades educativas.

Espaço informática da Escola Secundária do Cartaxo

O Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita do Cartaxo foi homologado, a 12 de março de 2004. Resulta da agregação, em 2012, do Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita e da Escola Secundária do Cartaxo, inaugurada a 17 de novembro de 1980. O Agrupamento é constituído pela Escola Secundária do Cartaxo, o Jardim de Infância de Vila Chã de Ourique, a Escola Básica n.º 1 de Vila Chã de Ourique, a Escola Básica José Tagarro, a Escola Básica n.º 2 do Cartaxo, a Escola Básica n.º 3 do Cartaxo e a Escola Básica 2,3 Marcelino Mesquita, no Cartaxo – Escola Sede, inaugurada a 16 de setembro de 2013[5]

Em janeiro de 2013, a Câmara Municipal do Cartaxo estabeleceu um protocolo com a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares para a implementação e consolidação do Programa da Rede de Bibliotecas Escolares no concelho. A decisão foi aprovada na reunião de Câmara, a 29 de janeiro, onde o executivo municipal referiu que os Agrupamentos Escolares Marcelino Mesquita, no Cartaxo e D. Sancho I, em Pontével eram parceiros do programa, embora a Biblioteca na sede deste último Agrupamento já pertencesse à RBE desde 2002.

Na atualidade, o Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita do Cartaxo dispõe de três Bibliotecas que integram a RBE:

A Escola Básica 2,3 de Pontével foi criada a 12 de setembro de 1997. Em 2001, constituiu-se o Agrupamento de Escolas D. Sancho I, incorporando três níveis do ensino básico – 1.º, 2.º e 3.º Ciclos com as seguintes unidades educativas: Escola Básica de Pontével, Escola Básica dos Casais Penedos, Escola Básica de Vale da Pinta / Jardim, Escola Básica de Vale da Pedra, Escola Básica da Ereira e Escola Básica da Lapa / Jardim.

Escola Básica D. Sancho I, em Pontével

 

O Agrupamento de Escolas D. Sancho I, de Pontével possui duas Bibliotecas Escolares:

  •   A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas D. Sancho I, de Pontével, sediada na sede do Agrupamento possui o 2.º e o 3.º Ciclos e foi integrada na RBE em 2002.
  •  A Biblioteca do Centro Escolar de Pontével é uma extensão da Biblioteca da sede do Agrupamento.  O Centro Escolar é o único no concelho do Cartaxo e foi constituído no ano letivo 2019/2020, dedicando-se aos ensinos Pré-escolar e 1.º Ciclo do ensino básico. Nas Escolas e Jardins de Infância onde não existe uma biblioteca, os alunos beneficiam do serviço “Biblioteca em Movimento”[6].

A 20 de maio de 2022, a Câmara Municipal do Cartaxo apresentou o projeto de literacia digital para o Ensino Pré-escolar – “Entrei no Mundo Virtual”.  Trata-se de um projeto de inovação na área da literacia digital dirigido a crianças a partir dos cinco anos e com o envolvimento de toda a comunidade educativa na valorização da capacitação digital desde a infância. No âmbito do projeto,  o município entregou 13 computadores a cada um dos jardins de infância públicos do concelho, num total de 78 equipamentos com os programas informáticos e pedagógicos necessários aos trabalhos dos técnicos e das educadoras e à aprendizagem das crianças.

A 10 de setembro de 2019, nasce a Rede Concelhia de Bibliotecas do Cartaxo que integra as Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita do Cartaxo e do Agrupamento de Escolas D. Sancho I, de Pontével, cuja gestão é da responsabilidade de um(a) Coordenador(a) Interconcelhio(a). Falamos de um grupo de trabalho que no contexto da Escola atual tem desenvolvido um trabalho em rede, aos níveis da organização e gestão das Bibliotecas Escolares, mudança das práticas educativas, suporte às aprendizagens, desenvolvimento das literacias, formação de leitores críticos e construção da cidadania.

Ainda na história das bibliotecas no concelho do Cartaxo, devemos salientar o serviço das Bibliotecas Itinerantes pelo país fora, criado pela Fundação Calouste Gulbenkian em 1958 e extinto em 2002. Foi através da itinerância das carrinhas da marca Citroën que muitos leitores locais usufruíram da consulta e leitura de livros, o qual, o Cartaxo não ficou isento. A ideia de levar livros pelo país e de dinamizar a literacia da leitura partiu do diretor do serviço educativo da Fundação, José Raposo de Magalhães, segundo a sugestão do escritor e bibliotecário Branquinho da Fonseca (1905-1974), no âmbito do projeto que desenvolvia desde 1953 na biblioteca-circulante do Museu-Biblioteca Condes de Castro

Guimarães, em Cascais. Por exemplo, em 1962 já existiam 47 bibliotecas ambulantes a circular pelo país, com 300.000 leitores assíduos e mais 3 milhões de livros emprestados.

Em 2023, existem 72  bibliotecas itinerantes a prestar serviços de biblioteca pública municipal às populações, em que 60 pertencem à RNBP. Trata-se de um serviço da responsabilidade dos municípios, através das bibliotecas municipais, com veículos novos ou adaptados, modernizados e preparados para responder às necessidades de quem vive isolado e afastado dos centros urbanos, com dificuldades de mobilidade, levando e trazendo leituras, conversas, atividades e novos serviços cada vez mais essenciais aos cidadãos, como os serviços online do Estado[7].

Em suma, o desenvolvimento tecnológico acelerado que caracteriza a sociedade atual, como a Inteligência Artificial a par da transformação digital, constitui desafios para as bibliotecas e as redes locais, nomeadamente, no que respeita à prestação de mais e melhores serviços digitais, promoção de diversas literacias, inclusão e capacitação digital dos cidadãos[8]. Para esta prossecução é fundamental o envolvimento dos municípios e das escolas em todo o processo, tendo em consideração a inscrição das bibliotecas na rede escolar nacional e o contexto de alargamento das competências dos municípios nos domínios da educação. Em outubro de 2023, segundo dados da Rede de Bibliotecas Escolares e da Pordata, da Fundação Francisco Manuel do Santos, existem em Portugal 2582 Bibliotecas Escolares, sendo que 2552 são do subsistema de ensino público e 30 do privado[9]. Já a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas é constituída por 250 municípios, integrando 437 bibliotecas públicas municipais e 60 bibliotecas itinerantes[10].

 

Cronologia das bibliotecas no concelho do Cartaxo

1937 – Fundação do Externato Marcelino Mesquita;

2 de dezembro de 1956 – Inauguração da Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita;

Ano letivo 1975/1976 – Inauguração da Escola Preparatória José Tagarro;

17 de novembro de 1980 – Inauguração da Escola Secundária do Cartaxo;

12 de setembro de 1997 – Inauguração da Escola Básica 2,3 de Pontével;

2002 – A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas D. Sancho I, de Pontével integra a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), organismo do Ministério da Educação que tem como objetivo instalar e desenvolver bibliotecas em escolas públicas de todos os níveis de ensino, proporcionando aos utilizadores os recursos e as aprendizagens necessários à leitura, ao acesso, uso, produção da informação e conhecimento;

2003 – A coordenação da política educativa é da responsabilidade do Conselho Municipal de Educação;

Ano letivo 2011/2012 – A Escola Básica D. Sancho I integra o programa Rede de Escolas aLeR+ com o projeto “Ler e Saber… para Ser e Crescer”;

janeiro de 2013 – A Câmara Municipal do Cartaxo estabelece um protocolo com a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares para a implementação e consolidação da RBE no concelho;

16 de setembro de 2013 – Inauguração da Escola Básica Marcelino Mesquita, sede do Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita do Cartaxo;

28 de outubro de 2013 – Inauguração da Biblioteca Escolar José Luís Peixoto na Escola Básica 2,3 Marcelino Mesquita;

setembro de 2018 – A Biblioteca Municipal torna-se membro da Rede Intermunicipal das Bibliotecas da Lezíria do Tejo (RIBLT);

Ano letivo 2019/2020 – Inauguração do Centro Escolar de Pontével com uma extensão da Biblioteca Escolar;

10 de setembro de 2019 – Nasce a Rede Concelhia de Bibliotecas do Cartaxo – integra as Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita do Cartaxo e do Agrupamento de Escolas D. Sancho I, de Pontével;

novembro de 2021 – A atividade desenvolvida pela Escola Básica D. Sancho I, em Pontével – Baralhando histórias recebe o prémio Atividade Top, da RBE;

11 de março de 2022 – A Biblioteca Municipal integra a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP);

20 de maio de 2022 – A Câmara Municipal apresenta o projeto de literacia digital para o Ensino Pré-escolar .


[1] Filho de Ana Inácia e de António da Silva Mesquita, Marcelino António da Silva Mesquita, nasceu no Cartaxo a 1 de setembro de 1856. Estudou no Seminário de Santarém, depois na Escola Politécnica e Escola Médico – Cirúrgica de Lisboa, onde se licenciou em Medicina, em 1884, com a tese Histeria. César, Rosendo José, “Marcelino Mesquita. Se há alegria na terra. Haja a lembrança no túmulo” in Boletim Oficial das Festas do 1º de maio de 1937, Cartaxo, maio de 1937.

[2] “Discurso do Senhor Augusto Sá da Costa no ato inaugural da Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita no dia 2 de dezembro de 1956” in Notícias do Cartaxo, 25 de dezembro de 1956, p. 2.

[3] Biblioteca Municipal Marcelino Mesquita, Espólio do Dramaturgo Marcelino Mesquita, Testamento de António Mesquita (policopiado); Costa, Ana Margarida da, O Concelho do Cartaxo: o Vinho, a Terra e o Tejo. Câmara Municipal do Cartaxo/Edição Ferraz & Azevedo, 2004.

[4] Tristão, Elvira, “A Escola Secundária do Cartaxo e a democratização do ensino. As duas faces de Jano” in Jornal de Cá, 24 de fevereiro de 2015.

[5] Sobre uma breve história das bibliotecas públicas escolares no concelho do Cartaxo, veja-se o artigo de Costa, Ana Margarida da, “As bibliotecas públicas e escolares no concelho do Cartaxo” in Notícia BAD. Jornal da Associação portuguesa de bibliotecários, arquivistas e profissionais da informação e documentação, 24 de junho de 2022.

[6] Para mais informações, veja-se o site das Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas D. Sancho I, de Pontével em, biblioteca (webnode.pt), o facebook Biblioteca D. Sancho I – Página inicial | Facebook, o Projeto Ler e Saber – Ler e Saber… para Ser e Crescer (padlet.com) e o blogue Biblioteca Escolar D. Sancho I – Pontével (sanchoi23becre.blogspot.com). Sobre o Programa Rede de Escolas aLeR+2027, veja-se a informação no site – Plano Nacional de Leitura (pnl2027.gov.pt)

[7] As Bibliotecas Itinerantes, um serviço municipal de proximidade, de 11 de maio de 2021. As Bibliotecas Itinerantes, um serviço municipal de proximidade (dglab.gov.pt)

[8] Costa, Ana Margarida da, “Breve abordagem sobre os desafios e prioridades das bibliotecas escolares no século XXI” in Notícia BAD. Jornal da Associação portuguesa de bibliotecários, arquivistas e profissionais da informação e documentação, 25 de maio de 2023. https://noticia.bad.pt/2023/05/25/breve-abordagem-sobre-os-desafios-e-prioridades-das-bibliotecas-escolares-no-seculo-xxi/

[9] Portugal: Rede de Bibliotecas Escolares: número de bibliotecas escolares por subsistema de ensino | Pordata

[10] http://bibliotecas.dglab.gov.pt/pt/Bibliotecas/Paginas/default.aspx

 

Isuvol
Pode gostar também