Modalidades do skate

Por Verónica Cotrim

Street
No skate de rua (street), os praticantes utilizam a arquitetura da cidade, por exemplo bancos, escadas e corrimãos, como obstáculos para executar as suas manobras e expressar a sua arte. É sem dúvida a modalidade mais praticada e popular do skate. O street também é a modalidade preferida de diversas tribos ou grupos de skaters.

Freestyle
Modalidade onde o skater apresenta várias manobras em sequência, geralmente no chão. O freestyle é considerado uma das primeiras modalidades do skate, na qual os skaters fazem manobras de chão, em sequência, com kickflip, 360 flip, inward heelflip, hardflip, sem obstáculos.

Vert ou Vertical
A modalidade vertical é praticada numa pista com curvas, com 3.40m, ou mais, de altura, 3m de largura e 40cm de declive. A pista tem o nome de half-pipe e pode ser feita em madeira ou cimento.

Bowl
Este estilo nasceu nas piscinas da Califórnia em meados da década de 1970, quando uma grande seca atingiu a região. Com as piscinas vazias, os jovens decidiram dar-lhes outra utilidade: deslizar com os seus skates pelas paredes.
Hoje, os skateparks têm pistas apropriadas para a modalidade, mas a prática da mesma exige bastante experiência devido à periculosidade das manobras.

Downhill Speed e Downhill Slide
O downhill, como o próprio nome indica, consiste na descida de ladeiras ou ruas de inclinação moderada, em que o skate pode atingir altas velocidades.

Para o downhill speed, a velocidade é tudo! Os praticantes têm como objetivo atingir altas velocidades, sem travar. Os equipamentos de segurança, neste caso, devem ser diferenciados e muito resistentes para evitar lesões.


No downhill slide, além da velocidade, o praticante tem como objetivo principal executar manobras de derrapagem com o skate. Para isso, é necessário apoiar as mãos no solo durante os movimentos, ou seja, luvas apropriadas são indispensáveis.


Foto em destaque: skater ‘Monstrinho’, por Mike Carreira

Skate XXIVerónica Cotrim