Bombeiros do Cartaxo celebram 82 anos “com elevada distinção”

Secretário de estado das Autarquias Locais presidiu à cerimónia solene

Os Bombeiros Municipais do Cartaxo celebraram este domingo, 25 de novembro, 82 anos de existência, com o Secretário de estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, que presidiu à cerimónia solene, que havia de ter lugar já depois das 11h.

Antes disso, já as celebrações haviam começado com o içar da bandeira, a homenagem aos soldados já falecidos e a receção aos convidados com o corpo de bombeiros do Cartaxo a prestar as devidas honras às individualidades ali recebidas pelo comandante dos Bombeiros Municipais do Cartaxo, David Lobato, tais como o presidente da Câmara Municipal do Cartaxo, Pedro Ribeiro, o presidente da Assembleia Municipal, Augusto Parreira, o comandante operacional distrital de socorro de Santarém, Mário Silvestre, assim como os vereadores municipais e autarcas do concelho, forças militares e policiais (GNR e PSP), assim como elementos de outras corporações de bombeiros, entre as quais de Alcobaça e Sintra, e antigos comandantes dos bombeiros do Cartaxo.

 

Bombeiros do Cartaxo assinalam 82 anos ao serviço da população

Os Bombeiros Municipais do Cartaxo assinalam este domingo, 25 de novembro, o seu 82º aniversário. A cerimónia decorreu esta manhã no Quartel dos Bombeiros Municipais e contou com a presença de muitos convidados, de representantes de várias entidades, de autarcas e do secretário de estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel

Publicado por Jornal de Cá em Domingo, 25 de Novembro de 2018

 

Também presente esteve o padre da Paróquia do Cartaxo, Arlindo Miguel, que benzeu as viaturas dos bombeiros, quatro das quais requalificadas e adaptadas para novas valências, nomeadamente no apoio a catástrofes, expostas a todos neste dia de aniversário, assim como outros equipamentos inovadores.

Ler
1 De 638

Já debaixo de teto, pois a chuva não permitiu que o evento decorresse no exterior, David Lobato deu as boas-vindas a todos (até ao “representante da Federação de Bombeiros, que não se fez representar”) naquele que era “um momento de celebração, de festa e de alegria”, mas que, ainda assim, o comandante não deixou de aproveitar para criticar algumas atitudes, como a manifestação dos bombeiros na véspera (sábado, 23), que apelidou de “novela”. “Gostaria de perguntar sinceramente o que é que andamos a reclamar agora (e estou a falar dos bombeiros)? Qual foi a real razão daquela manifestação e os que lá estiveram gostaria que me explicassem o que estiveram lá a fazer? Estivemos a discutir a nova lei orgânica da ANPC (Autoridade Nacional de Proteção Civil) é isso? Não percebo o que é que isso tem a ver com os bombeiros. Se nós estivéssemos a falar de todos os outros problemas que temos… Agora, efetivamente, a Liga que não representa os bombeiros, representa as nossas associações, e nós estivemos lá todos tipo carneirinhos. O que é que a Liga tem feito para a nossa imagem?”, questionou o comandante, num tom crítico.

Agradeço profundamente todo o trabalho desenvolvido, a entrega e dedicação, pelo brio, pelo vosso espírito de corpo para que até hoje tudo tenha sido justo e perfeito.

David Lobato

Para o comandante dos Bombeiros do Cartaxo, “este modelo está esgotado há muitos anos, não se acompanhou a realidade do futuro de Portugal há muitos anos”, considerando que “o futuro tem de ser, e julgo que quem nos governa também já percebeu isso, a profissionalização. Não há forma de dar a volta!”, afirma David Lobato, para quem “o modelo e o caminho será o dos corpos de bombeiros mistos detidos por autarquias, acho que resolverá mais de noventa por cento destes problemas”. David Lobato acredita neste, que assenta num modelo francês, e em que “continua a haver bombeiros voluntários, que são e serão sempre extremamente necessários a esta causa, porque é impossível nós numa situação real de catástrofe ter só bombeiros profissionais a trabalhar. Agora dêem-lhes condições, dêem-lhes regalias e dêem-lhes aquilo que seja necessário para eles poderem prestar o mesmo serviço”, desafia.

Críticas à parte, David Lobato só teve adjetivos elogiosos para os homens e mulheres da corporação, cujas ações, nestes últimos 82 anos, com todas as dificuldades encontradas, foram “ultrapassadas todas com elevada distinção”, agradecendo-lhes “profundamente todo o trabalho desenvolvido, a entrega e dedicação, pelo brio, pelo vosso espírito de corpo para que até hoje tudo tenha sido justo e perfeito”.

Agradeceu a este executivo e aos que o precederam, porque “têm tentado e têm conseguido que nada nos falte, têm tentado e conseguido compreender os nosso problemas, zelando desta forma pela segurança de todos os munícipes” e “no que ao socorro diz respeito no nosso município e no nosso país”. Agradeceu também ao secretário de Estado, Carlos Miguel, pelo apoio que tem dado aos bombeiros municipais, que esperam esperando “ansiosamente, pelo novo estatuto”.

David Lobato deixou ainda um agradecimento “especial” a todos os comerciantes e empresários “que contribuíram para que esta festa hoje fosse possível, porque quando foi pedida sua colaboração responderam ‘pronto!’.

Antes de terminar o seu discurso, que este ano não contou com números nem estatísticas, e “quebrando o protocolo”, David Lobato emocionou-se ao prestar uma homenagem do comando dos Bombeiros Municipais do Cartaxo e o devido reconhecimento público “a um bombeiro que no início do ano irá deixar-nos, cumprido com elevada distinção a sua missão, uma pessoa que me toca – Augusto José Nunes Verças”.

No distrito, a nossa corporação ocupa sempre os lugares cimeiros em serviços de emergência

Pedro Ribeiro

Para Mário Silvestre estar presente em mais uma celebração de aniversário dos Bombeiros do Cartaxo é “um motivo de orgulho e de particular honra”, tecendo largos elogios a este corpo de bombeiros e ao seu comandante, pelo “exercício de inovação e transformação e capacidade de reinventar e de pensar mais à frente”.

Por sua vez, o presidente da Câmara, começou por agradecer a “todos os homens e mulheres que ao longo de 82 anos serviram a nossa corporação de bombeiros, lembrando todos os que a serviço perderam as suas vidas”. Pedro Ribeiro referiu este como “o momento para dar testemunho público do reconhecimento que o município tem do seu corpo de bombeiros pela sua competência profissional e pelas provas de bravura em todas as ocorrências a que são chamados de norte a sul do país. Ao logo deste 82 anos há uma história escrita de serviço às pessoas e de união nos combates mais difíceis, há uma historia escrita de profunda proximidade à nossa população e às instituições do concelho”, lembrando que “no distrito, a nossa corporação ocupa sempre os lugares cimeiros em serviços de emergência”. “São o nosso pronto socorro”, continua Pedro Ribeiro, que agradeceu a ajuda do secretário de Estado pelas suas diligências que nos permitem resolver uma injustiça que perdurava há demasiado tempo, que tinha a ver com a situação de muitos daqueles que aqui estão, muitos daqueles que prestando serviço de bombeiro não viam isso consagrado na lei, a possibilidade dessa requalificação”. E apesar do “contexto financeiro municipal” ser ainda “bastante preocupante e limitativo nas áreas do investimento”, Pedro Ribeiro garante que “tudo faremos para continuar a dotar a nossa corporação com novos equipamentos que aumentem a segurança dos nosso bombeiros e que reforcem a nossa capacidade de resposta à comunidade”, informando que “vamos receber, em breve, uma nova ambulância”.

Os bombeiros têm todo o merecimento do respeito de todos os portugueses e têm o respeito indelével do governo de Portugal

Carlos Miguel (secretário de Estado das Autarquias Locais)

A terminar os discursos, o secretário de Estado, Carlos Miguel, não quis deixar de frisar, logo ao inicio da sua intervenção, que “os bombeiros têm todo o merecimento do respeito de todos os portugueses e têm o respeito indelével do governo de Portugal”. Apesar de não ser representante da pasta da proteção civil, Carlos Miguel sentiu legitimidade falar sobre o futuro da proteção civil. “Tenho a firme consciência que o presidente da Câmara é o primeiro responsável da proteção civil do concelho. E quem não compreendeu ainda que tudo na proteção civil se alterou e se irá alterar, de 2017 para cá, é porque não está neste país nem está neste mundo. Nós hoje temos presidentes de câmara que são arguidos e acusados de homicídio involuntário e temos comandantes dos bombeiros que também são arguidos pelos mesmos crimes, e isto há três, quatro anos era algo impensável. E é esta a realidade que temos que enfrentar”. Para o secretário de Estado, “o facto determinante que aqui está em causa é que o governo quer alterar a estrutura de comando distrital dos bombeiros, ou seja, o governo tem uma proposta no sentido de que o comando deixe de ser distrital, para ter uma organização distinta que tem a ver com as CCDR (Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional) e, depois, com as comunidades intermunicipais (CIM), porque os governos civis já morreram há muito, e hoje uma parte substancial do financiamento da proteção civil, em termos diretos e indiretos, vem de fundos comunitários e, na maior parte dele, com as câmaras municipais a subscrever a contrapartida nacional”. Segundo Carlos Miguel, que está certo de que, “hoje, sem pôr em causa o voluntariado antes pelo contrario que deve ser sempre valorizado, as coisas têm de ser feitas com profissionalismo”, “num futuro breve, que é em 2019, teremos as CIM com competências para ter uma palavra naquilo que são os equipamentos dos bombeiros, onde é que devem de estar e naquilo que é o seu apetrechamento e tudo aquilo que são apoios aos bombeiros devem ser escrutinados”.

Condecorações e agradecimentos
Muitas dezenas de pessoas, entre familiares e amigos dos bombeiros, marcaram presença neste dia de festa no quartel dos Bombeiros Municipais do Cartaxo e assistiram à entrega de medalhas por assiduidade, atribuídas pela Liga dos Bombeiros Portugueses, “num sinal de reconhecimento pelo altruísmo e continuada dedicação à causa dos bombeiros”. Assim, foram distinguidos com a medalha grau prata, por 10 anos de bons e efetivos serviços para a causa, os bombeiros: Vítor da Silva Marques; Ana Rita Mendes; Markus Butzberger; Fábio Caria; Helena Leça; Fernando Maltês. Com grau ouro 20 anos, foi distinguido António Melo Catarino. Aos bombeiros Luís António Ramalho e António João Azenheira foi entregue a medalha de dedicação por 25 anos.

Para além destes, mereceram ainda a distinção o bombeiro Carlos Melo e a assistente técnica administrativa Natacha Carvalho, por durante a sua vida profissional no quartel do Cartaxo “praticaram ações das quais se distinguiram dos seus pares”.

A festa terminou com um almoço de confraternização, no quartel, com os amigos e familiares, estes últimos também eles lembradas por todos os intervenientes, que lhes agradecem todo o apoio prestado aos soldados da paz.

Pode gostar também