Estrela Ouriquense sem direção

Não apareceram interessados em integrar os órgãos sociais do Estrela Futebol Clube Ouriquense, que reuniu em Assembleia Geral no passado dia 29 de maio.

Uma reunião magna que contou com a presença de cerca de uma dezena e meia de sócios da coletividade.

Apesar de da Ordem de Trabalhos constar a votação do Relatório de Contas de 2018, a discussão não pôde ser feita, já que este documento, apresentado aos associados já durante este mandato, tinha alguns problemas, tais como 147.000 euros, inscritos em caixa, que não existiam, e que resultaram de pagamentos efetuados sem documentos de suporte. Assim, nesta Assembleia, os associados tiveram de aprovar a ata da Assembleia anterior, onde foi deliberado retirar este montante das contas, permitindo, agora, avançar, com a conta da caixa a zeros.

Assim, foi apresentado o Plano de Atividades e Orçamento para 2019, pela primeira vez na vida da coletividade, aprovado pela maioria dos sócios.

Mas a maior discussão havia de estar guardada para o último ponto, a eleição dos corpos sociais.

Apesar de não existirem listas concorrentes, a associada Conceição Beijinho, que integrou a atual direção no cargo de secretária tendo acabado por pedir a renúncia ao cargo, começou por referir que a atual direção está ilegal, uma vez que conta, atualmente, com apenas três elementos quando os estatutos do clube exigem cinco. “Esta direção está a exercer as suas funções ilegalmente, porque ao abrigo dos estatutos do clube não há quórum para funcionar desde o ano passado, há uma conta bancária que não pode ser movimentada desde o ano passado porque não há assinaturas suficientes. Há uma série de situações, e vocês insistem em dizer que há uma direção. Não há”, declarou. Conceição Beijinho considerou que dever-se-ia ter realizado uma Assembleia Geral “há imenso tempo, conforme eu pedi, e foi recusada”.

Ler
1 De 26

Segundo disse, “a partir do momento em que os colegas se demitem e fica a presidente e eu, eu não tenho qualquer legitimidade para me manter neste cargo que me foi atribuído”.

A presidente da direção, Conceição Salvador, lamentou que, em vez de ter falado da situação nas redes sociais e de ter levado coisas do clube, Conceição Beijinho não lhe tivesse colocado estas mesmas questões, acusando-a de não estar sempre dentro da legalidade, por exemplo, no que respeita à “proteção de dados, a senhora esteve fora da lei”.

Não aparecendo interessados nesta Assembleia, tem lugar esta quinta-feira, 6 de junho, pelas 21h, mais uma Assembleia eletiva do Estrela Futebol Clube Ouriquense.

Pode gostar também