Evolução da dívida no Cartaxo em 40 anos de poder local

Uma notícia do Jornal i, sobre a evolução da dívida das Câmaras Municipais, publicada no passado dia 9 de setembro, provocou uma onda de indignação no concelho do Cartaxo. O jornal titulou “Estas são as caras da desgraça autárquica” por sobre um conjunto de fotos de autarcas de Câmaras com maior dívida do país. Aparentemente, nada haveria a dizer sobre esta notícia, não se desse o caso de a foto que ilustrava a dívida do concelho do Cartaxo ser a de Renato Campos, primeiro presidente eleito em sufrágio democrático e que cessou funções há 21 anos. Renato Campos, que foi eleito em cinco mandatos consecutivos entre 1977 e 1993, reagiu de imediato em carta dirigida ao Jornal i, e a que o Jornal de Cá teve acesso, na qual repudia a “ignóbil notícia, autêntico assassinato” da sua honra de cidadão, “cuja único crime”, escreve, “apresentado na vossa peça, é a circunstância de, por vontade da população, ter durante 17 anos trabalhado para o desenvolvimento da minha terra”.
Por tudo isto achámos importante perceber qual foi a evolução da dívida no concelho, desde que Renato Campos deixou a presidência. Segundo apurámos, em 1993 a dívida do Cartaxo era 473.475 mil euros. Vinte anos depois, no final de 2013 era de 52. 439. 491 euros. No quadro abaixo mostramos a evolução dos números, bem como indicamos os presidentes de Câmara a cada momento. Dá para perceber o erro grosseiro e a legítima indignação do antigo autarca.
A dívida do Município, presidente a presidente, no ano em que deixaram funções
473.475€ 1993 Renato Campos
6.811.143€ 2002 Conde Rodrigues/ Francisco Pereira
52.439.491€ 2013 Paulo Caldas/ Paulo Varanda

Pode gostar também

Comentários estão fechados.