“Falta de coragem é termos um vereador em silêncio nas reuniões de Câmara”

Depois de o presidente da Câmara Municipal do Cartaxo, Pedro Ribeiro, ter voltado a reivindicar a abertura da Extensão de Saúde de Valada, em ofício dirigido à diretora da ACES Lezíria, o vereador Jorge Gaspar acusou Pedro Ribeiro, nas redes sociais, de falta de coragem política para reivindicar a reabertura desta estrutura junto do Ministério da Saúde

Depois de o presidente da Câmara Municipal do Cartaxo, Pedro Ribeiro, ter voltado a reivindicar a abertura da Extensão de Saúde de Valada, em ofício dirigido à diretora da ACES Lezíria, na quarta-feira, o vereador Jorge Gaspar (Juntos Pela Mudança) acusou Pedro Ribeiro, nas redes sociais, de falta de coragem política para reivindicar a reabertura desta estrutura junto do Ministério da Saúde. Segundo escreveu no Facebook, “escrever cartas a dirigentes intermédios que, por muito profissionais e competentes que possam ser, nada podem fazer perante a falta de recursos do Ministério da Saúde não resolve o assunto… Coragem política era mesmo escrever ao Governo e confrontar o Ministro da Saúde com a falta de solução para este problema da não reabertura da Extensão de Saúde de Valada. Mas, claro, isso implicaria dizer que o Governo está tão preocupado com a população de Valada quanto um morcego com a falta de sol”.

A este propósito, Pedro Ribeiro, questionado pelo Jornal de Cá, salienta que “falta de coragem é o facto de termos um vereador que sistematicamente está em silêncio nas reuniões de Câmara, não tem a coragem de confrontar o executivo com este tipo de questões, de questionar olhos nos olhos, refugiando-se apenas em comentários no Facebook”.

Sistema de comunicações atrasa reabertura

A questão da demora na reabertura da Extensão de Saúde de Valada foi, também, levada pela CDU à Assembleia Municipal desta quinta-feira, realizada em Casais Lagartos.

Em moção apresentada à Assembleia, a CDU destaca que “esta é uma situação sobretudo gravosa para uma população maioritariamente idosa que tem que se deslocar para a USF de Pontével, obrigando a uma deslocação de 32 quilómetros. Sabemos que esta situação está apenas dependente da colocação de um médico e de um funcionário, alocados à USF D. Sancho I de Pontével e da responsabilidade do ACES Lezíria”.

Uma informação que Pedro Ribeiro garante não ser do conhecimento da autarquia. Segundo disse, a demora na reabertura deve-se à necessidade de esta Extensão de Saúde estar ligada em rede ao Serviço Nacional de Saúde.

Mais artigos
1 De 526

“Coincidência ou não, no dia seguinte à nossa carta, a empresa de comunicações já estava a trabalhar no posto de saúde de Valada”, refere o autarca.

Com o sistema de comunicações funcional, a reabertura desta extensão de Saúde não deverá demorar muito.

 

Pode gostar também

Comentários estão fechados.