Fandango

Os passos de uma dança que pode vir a ser património imaterial da humanidade

648

Por Rogério Coito, historiador

Sobretudo a partir de 1900, falar-se de Fandango é falar-se do Ribatejo e da sua dança tradicional mais representativa, como refere a conhecida quadra do cancioneiro popular: “P’ra tocar o algarvio/ P’ró Fandango o Ribatejo/ P’ra campinos borda d’água/ P’ra cantar o Alentejo”. O Fandango, influenciado pelas características da região ribatejana, passou a ser apresentado como uma “dança de agilidade sapateada, espécie de torneio no qual o homem pretende atrair as atenções femininas, salientando-se na presteza e plasticidade dos seus movimentos, transformando os pés, em bilros!”. No entanto, o Fandango é uma dança antiga, sabendo-se, por exemplo, que o filho de Eseu, na antiga Grécia, gostava de dançar o Fandango. Também africanos e mouros a adoptaram, dando-lhe o nome de “chica” e foi por seu intermédio que os espanhóis a conheceram.

Foto em destaque
Fandango da Lezíria pelo Rancho Folclórico ‘Os Campinos’ de Vila Chã de Ourique

Depois, a disseminação aconteceu. Portugal esteve 60 anos sob a dominação espanhola e as influências deram as suas ramificações. O Fandango começou por aparecer nos teatros de Lisboa, dançado com castanholas, sendo as mulheres das melhores bailadeiras. E houve alturas em que o Fandango ia ensandecendo meia Lisboa. No ano de 1773, quem frequentasse as igrejas da Esperança ou de Santa Clara a certas horas, poderia ver os desfraldados hábitos das freiras a dançar o Fandango.

Tendo-se expandido por todo o País, adquiriu em cada região características próprias. No Ribatejo, os homens dançam-no em jeito de duelo com movimentos da cintura para baixo, como insinuação de altivez do “homem do Ribatejo”. Segundo o etnógrafo e musicólogo Bertino Martins, antigamente os dançantes interpretavam-no com todo o corpo e com todos os membros e esse Fandango tem algumas incidências com o que se baila hoje em nossos dias: o compasso de três tempos e sempre aos pares.


Rogério Coito escreve de acordo com a antiga ortografia

Pode gostar também