Festival Materiais Diversos chega em outubro ao Cartaxo

No próximo dia 5 de outubro o Cartaxo recebe as primeiras atividades do Festival Materiais Diversos, que na sua 11ª edição se foca na desaceleração, inscrição, pluralidade e acessibilidade, colocando no centro do programa, as pessoas e as suas relações.

O Festival Materiais Diversos, que resulta da parceria entre a Associação homónima e os municípios do Cartaxo e de Alcanena, escolheu três verbos para definir a sua 11ª edição – repara cuida partilha. Três palavras que desenham a linha condutora de um programa que se encontra com o público num tempo pós-confinamento mas ainda não pós-pandemia.

O Festival vai decorrer, de 5 a 17 de outubro, no Cartaxo, em Minde e em Alcanena.  Elisabete Paiva, diretora artística da Materiais Diversos, apresenta-o como um espaço de encontro – “temos investido na sua desaceleração, inscrição, pluralidade e acessibilidade, procurando colocar as pessoas e as relações ao centro. Temos igualmente procurado fazer dele um espaço de criação e reflexão, em que artistas e espectadores tenham tempo para (se) experimentar”, escreve no editorial do programa.

“Uma mesa e uma caminhada são a espinha dorsal desta edição”, ainda segundo a diretora artística. A mesa vai ser posta no centro do Ponto de Encontro, espaço físico, literal e concreto para o qual “trazemos perguntas que emergiram nos últimos dois anos, motivadas por pessoas, acontecimentos e lugares específicos”, explica Elisabete Paiva.

A caminhada – Caminhantes –, um projeto de Carolina Cifras em colaboração com Ana Trincão, é um laboratório experimental e reflexivo que procura gerar uma experiência em torno da arte de caminhar em espaços abertos, em contacto com a natureza e levanta mais perguntas. No final da caminhada, a 15 de outubro, o Festival Materiais Diversos instala-se em Alcanena e Minde.

Troca de lugar, mas não de fio condutor – o espaço de conversa e reflexão continua a ser a marca desta edição que encerra no dia 17 de outubro, às 18h30, no Coreto de Minde com a música de Surma que, depois de um ciclo de três anos de rodagem do seu disco de estreia Antwerpen, continua a explorar novos caminhos entre géneros musicais, num universo muito próprio e com novas cumplicidades.

Ler
1 De 138

Veja aqui todo o programa do Festival Materiais Diversos

Pode gostar também