Jovem do Cartaxo lança livro “As mentiras do empreendedorismo”

 

mentiras-empreendedorismo“As Mentiras do empreendedorismo” é o título do livro escrito por Frederico Batista, um jovem empresário do Cartaxo que criou uma das 12 empresas mais inovadoras na Europa, a ser lançado no próximo domingo, 18, em Lisboa, às 14h30, no Chiado Clube Literário & Bar no Tivoli Fórum.

Conheça melhor este jovem empreendedor, a sua empresa e o que diz no seu livro sobre os mitos do empreendedorismo, num texto que saiu na edição impressa de agosto do Jornal de Cá.

frederico batistaFrederico Batista, do Cartaxo, é o grande empreendedor do momento, com uma empresa inovadora na área dos serviços de saúde. Faculta Tempo é o nome da primeira grande plataforma online no acesso à saúde, sem mensalidades nem obrigações, o que a distingue de um seguro de saúde. Considerada, pela União Europeia, com uma das doze empresas mais inovadoras da Europa, recebeu ainda o Prémio Inovação NOS, também no ano de 2015, dois anos depois de ter arrancado com o serviço.

“O meu grande objetivo com este projeto é levar a saúde a todas as pessoas, torná-la mais acessível a todos e, por mais que eu já esteja presente em praticamente todos os distritos”, revela Frederico Batista, filho de Rosa Saraiva e António Batista (Zezola), proprietários do restaurante O Saraiva, uma referência da terra a nível nacional. Mas, apesar de ser filho da terra, o Cartaxo é um dos concelhos que ainda não estão representados na rede de clínicas e médicos do sítio da internet da Faculta Tempo, que já abarca praticamente todo o território nacional, à exceção dos Açores, e que disponibiliza consultas, vários exames, como colonoscopias e ressonâncias magnéticas, e cirurgias a preços mais baixos.

A aventura começou em novembro de 2013, com um colega, e não foi fácil. Frederico conta-nos que, depois de uns tempos a trabalhar em Londres, decidiu levar este projeto para a frente “porque vi ali uma oportunidade, mas foi muito mais difícil do que eu pensava, por causa da questão dos seguros, que não gostaram muito da ideia”. Estava aqui a abrir-se um precedente que poderia pôr em causa o pagamento das mensalidades que os demais planos de saúde implementados exigem. Mas Frederico nunca desistiu, até porque “esta é só mais uma opção para as pessoas, os seguros de saúde existentes continuam a ter espaço para atuar, porque há muitas coisas que os seguros cobrem que eu não tenho, como planos de internamento, por exemplo”.

Mais artigos
1 De 94

“Começámos por Lisboa e depois foi mais fácil alargar a rede aos restantes distritos”, mas “inicialmente foi muito difícil conseguir ganhar a confiança das pessoas, mesmo das clínicas em que houve uma desconfiança grande inicial”, conta o jovem empresário que, na altura, bateu à porta de muitos investidores e concorreu a vários concursos, de modo a conseguir investimento e apoio na criação da empresa. Frederico diz que “havia muito preconceito relativamente ao projeto, sempre que falava num seguro de saúde gratuito via logo um desânimo generalizado” e a resposta era, invariavelmente, “não sabes onde te estás a meter, esquece completamente essa ideia”.

Certo é que, em 2015, o concurso da EU que considerou a empresa entre umas das doze empresas mais inovadoras da Europa veio abrir outras portas. “Inicialmente”, diz Frederico, “não fazia ideia do que vinha aí”. E o ponto de viragem deu-se, segundo o próprio, “depois de alguma comunicação social pegar no assunto”, reconhecendo que se não fossem “algumas reportagens que tinha sido mais difícil”. Depois de uma reportagem na SIC, a empresa passou de cerca de 50 serviços, por dia, para 500. “Houve, de facto, um salto e a partir daí a coisa começou a estruturar-se de outra maneira”, pois “vivemos de uma margem muito pequena que só resulta a uma grande escala”, reconhece Frederico que escreveu o livro “As Mentiras do empreendedorismo” a ser lançado, brevemente, pela Chiado Editora, onde pretende desmistificar algumas ideias sobre o empreendedorismo, dando a conhecer a sua realidade e as dificuldades que encontrou na criação deste negócio. Situações caricatas, que Frederico apontava num bloco, falsas expectativas, como a existência de investimento para start ups, e a desconstrução dos passos para abrir uma empresa, são alguns dos temas abordados neste livro.

Entretanto, têm vindo a alterar alguns procedimentos, como a forma de pagamento dos serviços médicos intermediados pela Faculta Tempo: “a pessoa terá que imprimir o comprovativo de que adquiriu aquela consulta ou exame, mostrar na clínica onde vai efetuar o tratamento, e aí pagar”, explica Frederico que, quase todas as semanas, acrescenta mais um serviço de saúde. “Exames há aos milhares e cada vez mais clínicas privadas apetrechadas para os fazer, nomeadamente a nível da área estética, mas tenho tido muita procura na área da psicologia e também nos demais exames”, conta.

Neste momento, com uma maior solidez financeira da empresa, que fatura acima dos 100 mil mensais, Frederico já pondera a possibilidade de a vender, pois já recebeu algumas propostas de compra, inclusive de um dos investidores que lhe negou apoio, inicialmente. É tudo uma questão de surgir uma boa oportunidade, pois Frederico tem “muita vontade de criar outras empresas”, ainda que também tenha vontade de expandir este projeto a outros países, como o Brasil, onde sabe que seria uma boa aposta. Uma coisa é certa, Frederico é corajoso e destemido, mas tem os pés bem assentes na terra. “Fui habituado a trabalhar e não sou uma pessoa iludida, a vida é muito inconstante nunca sabemos do dia de amanhã”. Nós cá, queremos acreditar que, com apenas 28 anos, Frederico ainda vai dar que falar no mundo do empreendedorismo.


 

Pode gostar também

Comentários estão fechados.