Junta abdica da gestão da Praça de Touros do Cartaxo

O executivo da União de Freguesias de Cartaxo e Vale da Pinta não vai manter a gestão da Praça de Touros, tal como vinha sendo protocolado com a Câmara Municipal do Cartaxo, que é a detentora do espaço.

O presidente da União de Freguesias de Cartaxo e Vale da Pinta (UFCVP), João Pedro Oliveira, demonstrou não haver interesse deste executivo em manter a gestão da Praça de Touros, lembrando que “a junta não tinha a obrigação de fazer obras ou trabalhos de manutenção no edifício da Praça de Touros, tinha obrigação de fazer espetáculos tauromáquicos na praça”, referindo-se à opção dos anteriores executivos em fazê-lo.

“A Praça de Touros está num estado em que nós estamos a brincar com a sorte, porque existem danos estruturais que no meu entender são graves”, explicou João Pedro Oliveira na última assembleia da UFCVP, onde se discutiram as grandes opções do plano e o orçamento para 2022, adiantando que a Câmara “tem outra estratégia para o espaço, também alinhada connosco, para a concessão da Praça de Touros”. O autarca deixou um alerta para a necessidade de uma vistoria por parte do LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil) à estrutura daquele edifício centenário, assim como um projeto de requalificação estrutural, para garantir que as pessoas que lá assistem a espetáculos estejam em segurança.

Concluindo, “nós não vamos ficar com a Praça de Touros e desvinculámo-nos de uma associação empresarial tauromáquica a que a Junta estava associada, portanto não temos esse objetivo de fazer a gestão ou concessão de espetáculos da Praça de Touros. Achamos que, do ponto de vista da nossa gestão política, há outras coisas mais importantes para resolver no Cartaxo e há pessoas interessadas na tauromaquia que podem fazer esse trabalho, sem ser a junta de freguesia”, justificou o presidente da União de Freguesias de Cartaxo e Vale da Pinta.

Pode gostar também