Junta do Cartaxo e Vale da Pinta vai gerir Praça de Touros

Os vereadores Jorge Gaspar e Nuno Nogueira votaram contra esta proposta

A Junta de Freguesia da União de Freguesias Cartaxo e Vale da Pinta vai ficar responsável pela gestão da Praça de Touros do Cartaxo.

A proposta foi aprovada por maioria, com dois votos contra dos vereadores da oposição, na reunião de câmara de 19 de março, realizada na sede da Junta de Freguesia da União de Freguesias Ereira e Lapa.

Uma situação que vai permitir efetuar melhorias necessárias na praça, já que a junta de Freguesia dispõe de mais meios. Na prática, trata-se de um contrato de comodato, à semelhança do que tinha sido estabelecido com o Grupo de Forcados Amadores do Cartaxo, mas que contempla apenas a obrigatoriedade de realização de dois espetáculos taurinos durante o período em que vigora o comodato.

A este propósito, o vereador Jorge Gaspar, da coligação Juntos Pela Mudança (JPM), realçou que, apesar de concordar com o modelo adotado no ano transato, “o ponto de partida para a gestão deste tipo de equipamentos, no nosso entendimento, deve ser o concurso público. E não concordo consigo quando diz que o concurso não serve  porque as instituições, os cavaleiros, gentes da nossa terra, são desconhecidas, porque isso depende do caderno de encargos”. Além disso, o vereador disse não entender porque é que, na proposta de deliberação, se considera que a Câmara Municipal não pode nem deve gerir este tipo de equipamentos “e depois passa, por comodato, para a Junta de Freguesia”. Segundo Jorge Gaspar, “trata-se, assumidamente, de uma opção política”.

O presidente do Município, Pedro Ribeiro, esclareceu que “a Câmara Municipal entende que a sua principal vocação não é gerir a Praça de Touros. O senhor presidente da Junta manifestou vontade em ficar com a Praça de Touros. Aliás, o modelo não é único no País e com bons resultados”. Além disso, Pedro Ribeiro acrescentou que os concursos públicos têm corrido muito mal por todo o País.

O comodato assinado no ano passado com os forcados tinha um objetivo principal, que era o de os forcados do Cartaxo poderem ter alguma influência na Associação Nacional de Forcados, o que veio a permitir a sua entrada, ainda que de forma provisória, nesta associação. No entanto, o empresário que ficou responsável por montar as corridas acabou por não cumprir o caderno de encargos.

Mais artigos
1 De 461

“Se não formos nós a gerirmos e a preservarmos aquilo que é nosso não são os de fora, que passam por cá com o intuito do lucro”, disse Délio Pereira, presidente da União de Freguesias Cartaxo e Vale da Pinta ao Jornal de Cá. Assim, e perante as preocupações manifestadas por diversas pessoas do meio e pela Câmara Municipal, o presidente da Junta disponibilizou-se para tomar esta tarefa em mãos. Desta forma, a Junta vai ter um parceiro, “o Ricardo Levezinho, que é o empresário da Praça de Vila Franca, da Palha Blanco”, explicou o autarca, que ficará responsável por montar os dois espetáculos tauromáquicos obrigatórios pelo contrato de comodato. Basicamente, a Junta de Freguesia vai fazer a preservação do edifício e fiscalizar o trabalho do empresário.

Para já, existe um espetáculo agendado para dia 1 de maio, uma novilhada, inserida no Ciclo de Novilhadas do Campo Pequeno; as Festas da Cidade deverão assistir a uma Corrida de Touros e a Feira dos Santos ainda está em aberto.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.