Juntos Pela Mudança apresenta compromissos para cumprir em quatro anos

Jorge Gaspar apresentou um conjunto de compromissos assentes em quatro eixos de intervenção

A coligação Juntos Pela Mudança (PSD e Nós, Cidadãos) escolheu o dia de arranque oficial da campanha para as autárquicas de 2017, esta terça-feira, para apresentar publicamente a sua Carta de Compromisso para os próximos quatro anos, perante mais de 60 pessoas, no Centro Cultural do Cartaxo.

“Não é a apresentação do nosso programa eleitoral, é a apresentação de um conjunto de compromissos que objetivamente assumimos cumprir em quatro anos, se ganharmos as eleições”, começou por esclarecer Jorge Gaspar, cabeça de lista à Câmara do Cartaxo. O objetivo, acrescentou, é “mostrar que do ponto de vista político, do ponto de vista da ação política, devemos ter mais do que um programa, devemos assumir compromissos prévios, que sejam mensuráveis, que sejam verificáveis, que as pessoas, independentemente de quem sejam, possam controlar o seu cumprimento”.

Esta Carta de Compromisso assenta em quatro eixos de intervenção: investimento e economia local; promoção da sustentabilidade social; revitalização do meio envolvente; e uma Câmara mais perto dos munícipes.

O que nós queremos é que o Cartaxo entre no radar dos investidores.

Jorge Gaspar

Estas medidas são integradas, ou seja, estão interligadas, e “a nossa visão é que todas as medidas, se forem bem executadas, terão repercussão positiva, independentemente do eixo no qual formalmente nós a estamos a inscrever”, esclareceu Jorge Gaspar.

O primeiro eixo de intervenção compreende medidas como a reabertura da EN 3, que “não é apenas uma questão de mobilidade, não é apenas uma questão de alcatrão, é uma questão central para a vida económica da nossa cidade e, em geral, para a vida económica do concelho”. Um compromisso que visa “devolver à cidade do Cartaxo a centralidade sócio-económica de que tanto carece para poder potenciar o seu projeto de desenvolvimento”, explicou o candidato.

Mais artigos
1 De 38

O programa Cartaxo Marca-te destina-se a captar investimento. “O que nós queremos é que o Cartaxo entre no radar dos investidores”, disse.

Destaque, ainda, para o programa Cartaxo COMvida, de promoção da economia local, que será financiado com parte das receitas que a economia local gera; e o In’Venta Cartaxo, um laboratório de indústrias criativas a instalar no Parque Central, no espaço anteriormente destinado a bares.

Jorge Gaspar apresentou, ainda neste eixo, a criação de um fundo de apoio à economia local; a reabilitação do Mercado Municipal, com um novo modelo de gestão de concessão a médio prazo; a Feira do Emprego e das Profissões; bem como a criação de um pólo de ensino e formação profissional. A coligação coloca o Turismo neste eixo, com a criação do Valada Tejo Music & Wine Festival; a valorização da Batalha de Ourique com um centro interpretativo; e também dos caminhos e rotas no concelho, como os Caminhos de Fátima e de Santiago, trilhos pedestres e rotas de cicloturismo.

No que respeita ao segundo eixo, a promoção da sustentabilidade social, consta a introdução das disciplinas de programação e robótica nas escolas do 1º ciclo; no associativismo, a criação de um gabinete técnico de apoio, com “uma equipa de arquitetos, de juristas, projetistas, engenheiros, numa lógica multidisciplinar, que de uma forma organizada, sistémica e estruturada estão disponíveis para as associações e coletividades”, explicou Jorge Gaspar; a criação de uma central de compras; a revitalização dos espaços públicos desportivos e, no futebol, a realização de um torneio pré-época intra-concelhio. Este eixo compreende, ainda, programas de apoio à ação social e saúde, que poderão ser em parte financiados pela poupança gerada pelas medidas adotadas com vista à eficiência energética; às tradições, a realização da Semana da Juventude, e a colocação de sacos de recolha de dejetos de animais em espaço público.

Os compromissos no eixo da revitalização do meio envolvente passam por promover um programa de adoção de espaços verdes; requalificar e reorganizar o centro da cidade, no que aos jardins, espaços públicos e circulação diz respeito e à abertura das instalações sanitárias públicas.

A arborização e instalação de esplanadas na Praça 15 de Dezembro é outro dos compromissos. Este local é “um espaço morto na cidade, na verdade. Serve para entrar na Câmara e para sair da Câmara Municipal. O nosso compromisso é de devolver vida a esse espaço criando, numa lógica de parceria, um espaço arborizado, ajardinado, com esplanadas. As esplanadas trabalharão, naturalmente, numa lógica de concessão, com aqueles que já estão na nossa cidade”, esclareceu Jorge Gaspar, dando o exemplo de outras cidades que reconverteram espaços de cimento em espaços aprazíveis, com jardins suspensos, por exemplo.

O programa Tejo para Todos, que visa a avaliação das zonas ribeirinhas em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente, a limpeza das zonas verdes e das linhas de água, canais e margens do Tejo e Vala Real. Este eixo compreende, também, a ampliação da oferta pública de estacionamento, com a introdução de lugares de estacionamento em espinha; o reforço da sinalização vertical e horizontal; o ‘Plano 365 Dias’, que visa a recuperação e manutenção do espaço público; e, na segurança, a implementação do programa Férias Seguras, em parceria com as forças de segurança.

Finalmente, no último eixo, uma Câmara mais perto dos munícipes, a coligação compromete-se a realizar uma auditoria financeira e uma auditoria de gestão aos mandatos autárquicos desde 2001. Jorge Gaspar esclareceu que “não basta saber, e para isso é a auditoria financeira, se eu tirar cinco daqui e aparecerem cinco do outro lado, se aquilo dá zero. É preciso saber se esses cinco foram bem gastos, para onde é que foram, que retorno é que o concelho teve desses cinco. E é isso que nós queremos saber”.

Outro dos compromissos é a transmissão, em direto, no sítio internet do Município, das reuniões de Câmara e Assembleias Municipais; ainda implementar um programa de formação dos trabalhadores municipais; estar especialmente atento à gestão dos fundos comunitários, ou seja, “de uma vez por todas, olhar para os fundos europeus”; criar a app ‘Como está o meu processo?’; e disponibilizar a plataforma digital ‘Geo-Cartaxo’, que permitirá ao cidadão identificar necessidades de intervenção no espaço público.

 

Pode gostar também

Comentários estão fechados.