Liv’reira quer ser uma referência a nível distrital

Terceira feira do Livro da Ereira superou as expectativas

©Fátima Neno

Decorreu no primeiro fim de semana do mês de dezembro a terceira feira do Livro da Ereira. Este ano, a Liv’reira trouxe livros, novas edições e usados, mas também momentos de debate, provas de vinhos, histórias, apresentação de livros, sessões de autógrafos e música, em três dias (começou a 30 de novembro e terminou a 2 de dezembro) de cultura na Casa do Povo da Ereira, que superaram as expectativas da organização.

Foi um fim de semana cheio de atividades especialmente dedicadas aos amantes da leitura, organizada pelo Grupo Herêra – Associação Cultural, envolvendo, entre outros, a comunidade da terra e mostrando a sua cultura e tradições, com o Rancho Folclórico da Casa do Povo da Ereira a fazer uma “recriação de como se poderia estar numa taberna de antigamente” seguindo-se o fandango, e a Banda Filarmónica Ereirense a atuar na primeira noite, ou não fosse um dos propósitos deste evento a angariação de fundos para a manutenção da Igreja Matriz da Ereira, nomeadamente para arranjar o coro alto.

No primeiro dia do evento, o enólogo Pedro Gil orientou uma prova de vinhos da Adega do Cartaxo, que ali se encontravam expostos, a par dos vinhos Lambéria’s e dos vinhos da Quinta da Lapa, também eles a serem dados a provar em provas comentadas, nos dias seguintes. Ainda antes da prova de vinhos da Adega do Cartaxo, Marta Simões apresentou uma sessão de showcooking (cozinha ao vivo) muito apreciada pelos presentes, até porque “nunca tinha acontecido na Ereira”, diz Ana Bernardino da Associação Cultural Herêra, lembrando que para ver este tipo de atividades as pessoas têm de se deslocar.

Escusado será dizer que estes três dias tiveram uma boa afluência do público da terra e não só, muito pela forma inovadora como o evento foi apresentado. “A adesão tem sido muito significativa e a superar as espectativas, nós acreditávamos que seria um evento diferente na Ereira e que iria trazer pessoas, mas desde o primeiro dia que tivemos muita gente a vir até aqui para ver a feira do livro e também todas as outras atividades paralelas”. E, tendo em conta o esforço desta Associação Cultural em pôr de pé tal evento, valeu bem a pena, elevando a fasquia da próxima edição. “Este ano quisemos renovar mas com um projeto mais sólido, com o objetivo de todos os anos crescer um mais bocadinho”, promete Ana Bernardino, porque “o concelho do Cartaxo precisa de crescer a este nível – o concelho do Cartaxo não tem uma feira do livro” e “nós aqui temos todas as principais editoras”.

No sábado, logo pela manhã, teve lugar a Hora do Conto, por Isabel Pimenta e, à tarde, numa sessão também dedicada aos mais novos, Isabel Ricardo apresentou o seu novo livro “Os aventureiros na cidade flutuante” e todos os livros de aventuras em sítios mágicos em Portugal que escreveu anteriormente. Esta é uma das inovações da feira do livro da Ereira, que já não se realizava há uns anos, e que a organização quis trazer nesta edição, porque “é importante trazer cá escritores, que apresentam os seus livros e falam com os seus fãs, como aconteceu nestes dias, nomeadamente com os mais novos. No fundo, “a Liv’reira pretende chamar o público mais jovem”, revela Ana Bernardino.

Ler
1 De 16

3ª Feira do Livro da Ereira

3 dias repletos de atividades especialmente dedicadas aos amantes da leitura. Na terceira Feira do Livro da Ereira houve sessões de autógrafos, lançamento de livros, mesas redondas, exposições, música, teatro e dois espaços para acompanhar as leituras com vinho e gin

Publicado por Jornal de Cá em Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2018

Ainda nesta tarde de sábado, decorreram duas mesas redondas: a primeira sobre “Bibliotecas escolares: instrumento de acesso ao conhecimento”, com o painel de discussão constituído por Maria Manuela Silva, coordenadora da Rede de Bibliotecas Escolares, e por Filomena Rubio, coordenadora interconcelhia da Rede de Bibliotecas Escolares, moderadas pelo presidente da Câmara do Cartaxo, Pedro Ribeiro, acompanhado pela vereadora Elvira Tristão, relevando-se a importância da existência de “pontes entre as matérias de ensino e a leitura”, através de uma maior interação entre a biblioteca escolar e os professores, de modo a aproximar mais os alunos aos livros. Outro tema em discussão na Liv’reira foi a “Imprensa regional: os desafios na era digital”, com a participação da diretora do Jornal de Cá, Fátima Rebelo, da diretora executiva de O Mirante, Joana Emídio, do diretor editorial da Rede Regional, João Nuno Pepino, e do diretor do Valor Local, Miguel Rodrigues, com a moderação a cargo de Ana Bernardino, numa conversa que girou em volta do jornal em papel, do jornalismo online, do poder das redes sociais, no fundo, nos desafios da imprensa escrita e na adaptação dos jornalistas na atualidade e no futuro.

A feira teve as portas abertas até domingo, à noite, ainda com vários livros de diferentes temas e autores para escolher e comprar, a melhor preço, tendo ainda neste último dia Berta Pereira a contar um conto, rodeada de crianças, e a escritora Ana Delgado Martins a apresentar o livro “Nicolau no telhado”. Para o ano poderemos esperar por mais e, “daqui a cinco anos, seremos uma referência a nível distrital”, quer acreditar Ana Bernardino.

Pode gostar também