Mais de 30 atletas correm pelo Clube José Maria Nicolau

O Clube de Ciclismo José Maria Nicolau apresentou no passado sábado, 10 de março, as suas equipas para esta época, contando com mais de 30 atletas, entre a formação e a competição ao mais alto nível.

Esta época (2018/19), 31 atletas compõem o Clube de Ciclismo José Maria Nicolau, que tem na formação e nos sub-23 os seus objetivos. Esta será mais uma época em que o clube conta com o patrocínio da marca de bicicletas portuguesa (que começou por patrocinar a equipa de Sub-23 em 2009), mantendo-se a designação das equipas Jorbi-Team Clube José Maria Nicolau.

O equipamento mantém-se com o laranja como cor predominante e o nome Cartaxo impresso e bem visível. “Continuamos com uma identidade vincada, que é o Cartaxo”, destaca José Nicolau, que apresentou a sessão e, a propósito disto, nós relembramos o que responsável pelo clube nos disse, em entrevista, no ano passado: “Quando a equipa chega, é a equipa do José Maria Nicolau, é a equipa do Cartaxo, ponto”.

Em 2017 fizemos, nas categorias todas, à volta de 115 corridas e os carros, os nossos e os dos pais, percorreram cerca de 40 mil quilómetros.

José Nicolau

Ao longo da cerimónia de apresentação da nova época do Clube de Ciclismo José Maria Nicolau, que decorreu na sala de cinema do Centro Cultural do Cartaxo, José Nicolau não se cansou de agradecer aos pais dos atletas, que “são uma peça fundamental” neste clube, por onde já passaram mais de 270 atletas. “Em 2017 fizemos, nas categorias todas, à volta de 115 corridas e os carros, os nossos e os dos pais, percorreram cerca de 40 mil quilómetros”, conta José Nicolau às muitas dezenas de pessoas que encheram a sala no passado sábado para conhecer as equipas desta nova época do ciclismo.

Mais artigos
1 De 179

A cerimónia iniciou-se com um filme sobre o percurso da vida desportiva do grande ciclista do Cartaxo dos anos 30 do século passado, José Maria Nicolau, avô de José Nicolau que se emocionou no final do filme, recebendo uma grande ovação da plateia. José Nicolau mostrou-se depois desmotivado com a falta de apoios ao clube que leva o nome do Cartaxo, através do ciclismo, pelo País afora e não só.

Temos de honrar o passado, as pessoas que fizeram pelo Cartaxo e o José Maria Nicolau fez muito.

José Nicolau

O neto do corredor fez críticas ao Sport Lisboa e Benfica “que esqueceu o José Maria Nicolau”, aproveitando para pedir aos autarcas presentes (o presidente da Câmara do Cartaxo, Pedro Ribeiro, e o presidente da União de Freguesias Cartaxo e Vale da Pinta, Délio Pereira) que não se esquecessem destes nomes [do seu avô, mas também de Alfredo Trindade, de Valada, ambos grandes estrelas do ciclismo da época]. “Temos de honrar o passado, as pessoas que fizeram pelo Cartaxo e o José Maria Nicolau fez muito”, declarou o responsável, pedindo que também não esquecessem o Clube de Ciclismo e o seu percurso de 15 anos “de muita luta e muito sacrifício”. Mas, apesar de se sentir a desanimar, José Nicolau diz acreditar na continuidade do clube, porque há duas pessoas que fazem tudo para mantê-lo vivo: a filha Mariana e o genro Paulo Figueiredo.

Délio Pereira, também ele emocionado depois do filme sobre o ciclista do Cartaxo, referiu que “não podemos ficar indiferentes àquilo que foi a história de um homem muito importante do nosso concelho e que levou o nome da nossa terra a todos os pontos do País”. Relativamente à falta de apoios ao clube, o presidente da União de Freguesias Cartaxo e Vale da Pinta disse que “o nosso desejo seria o de ajudarmos muito mais”, lamentando contudo a situação financeira atual. Délio Pereira agradeceu o empenho e dedicação de José Nicolau na formação destes jovens, que “defendem as cores do Cartaxo e o nome da nossa terra” e que, por isso, “têm de ser tratados de igual forma como os de cá”, referindo-se ao facto de na maioria destes atletas serem de fora do concelho.

Por sua vez, Pedro Ribeiro voltou a reforçar “aquilo que é mais importante nestas associações, que é o papel destas associações na formação dos mais jovens”. E continua: “O Zé [José Nicolau] tem tido essa lucidez e essa visão de dimensionar o clube para a formação e dentro desse trabalho procurar semear nos mais jovens bons valores, valores de equipa, que irão, com toda a certeza, conduzi-los a vida toda”. O presidente da Câmara do Cartaxo lamentou o corte nos apoios às associações, mas acredita que “se continuarmos no caminho que trilhamos nestes últimos quatro anos de franca recuperação financeira, julgo que neste mandato temos condições para reativar os protocolos de apoio ao associativismo, quer desportivo quer cultural, porque é nossa obrigação participar naquilo que é o trabalho que as coletividades fazem na promoção de estilos de vida saudáveis e da formação dos mais jovens”. O presidente terminou dizendo que “a nossa terra tem um profundo orgulho no trabalho destes atletas”.

O Zé [José Nicolau] tem tido essa lucidez e essa visão de dimensionar o clube para a formação e dentro desse trabalho procurar semear nos mais jovens bons valores, valores de equipa, que irão, com toda a certeza, conduzi-los a vida toda.

Pedro Ribeiro

No final, o Clube reconheceu publicamente o empenhamento e mérito do atleta André Ramalho, “o nosso ciclista de referência”, que representa a seleção nacional, e “o único atleta que até agora, no Clube José Maria Nicolau, vai fazer todo o percurso de Sub-23, este será o quarto ano”, afirma José Nicolau, acrescentando que é muito difícil consegui-lo “com tantas equipas a assediá-lo”. Mas o atleta diz que “tem muito a agradecer ao clube” e que, apesar de “muito assediado” nunca se arrependeu de ter ficado neste clube.

O outro homenageado foi o treinador Samuel Estêvão, que “não é do Cartaxo, mas faz tudo por nós: pelo clube, pela terra, pelas pessoas…”. O treinador agradeceu e, apesar de ser da zona da Malveira, “sinto esta terra como minha e no que depender de mim aqui continuarei a tentar formar aquela rapaziada mais nova”.

Também referido na cerimónia de apresentação do Clube de Ciclismo José Maria Nicolau, foi o atleta Miguel Mascarenhas, campeão de Portugal de 1500 metros em pista coberta, que esteve presente neste evento do clube onde foi atleta durante dez épocas seguidas, antes de se dedicar ao atletismo.

Equipas da Jorbi-Team José Maria Nicolau
Luís e Samuel Estêvão são os responsáveis pelas escolas, que compreendem os escalões: Benjamins, com os atletas Leonor Estêvão e Tomás Calisto; Iniciados com Daniel Estêvão, Eduardo Custódio, Guilherme Cunha, Joana Ferreira e Maria Soares; e Infantis com Francisco Brilha e Leonor Norte.

Nos Juniores, treinados por Paulo Figueiredo (auxiliado por Telmo Costa, Bernardo Norte e Luís Estêvão), alinham os atletas Luís Oliveira, Miguel Carvalho, David Filipe, Marcelo Albuquerque, Duarte Bento, Diogo Correia, Tomás Sequeira, Cláudio Pereira, João Parreira e Jorge Soares. Nesta equipa, tal como referiu José Nicolau, há atletas com idade para entrar no escalão de Sub-23, mas aqui se mantêm para ganhar mais experiência e treino.

A equipa de Sub-23 é treinada por José Nicolau (com o auxílio dos restantes treinadores e o apoio da filha, Mariana Nicolau, e Paula Cunha). Pertencem a este escalão: Rita Soares, André Cunha, Sandro Branco, António Rodolfo, João Silva, Cláudio Sousa, Francisco Ramalho, André Ramalho, Rafael Espadinha, Paul Ferreira, Nuno Marques e Bernardo Gonçalves. O calendário de corridas destes atletas é preenchido quase só por competições com profissionais, pois os Sub-23 não têm calendário próprio, o Campeonato Nacional e a Volta a Portugal do Futuro são as únicas provas dirigida a esta categoria.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.