Meio milhar de manifestantes por um Tejo mais limpo

 

O Movimento proTEJO convocou e cerca de meio milhar de pessoas respondeu à chamada, para se manifestarem por um Tejo mais limpo, na tarde de sábado, 4 de março, em Vila Velha de Ródão.

Entre gritos de “Não à poluição” e recordações de que o Tejo é de todos, centenas de pessoas fizeram-se à estrada, partindo do cais da vila em direção à Celtejo, identificada como uma das principais poluidoras do rio, a cerca de um quilómetro e meio.

Mas a sensibilidade dos habitantes da zona é que esta empresa não é a única – e nem, se calhar, a principal poluidora. Como ouvia a reportagem do Jornal de Cá ainda antes de a marcha ter início, “toda a gente se queixa da Celtejo, mas ninguém fala da Centroliva, que é muito pior”, diziam alguns habitantes.

A Celtejo é uma empresa produtora de pasta de papel que, segundo denúncias que têm vindo a público, não tem capacidade para tratar todos os efluentes que produz, levando a que parte destes “lixos” sejam despejados diretamente no Tejo.

A Centroliva, a outra empresa identificada como grande poluidora do rio na região, produz energia a partir de biomassa, e já foi mesmo alvo de ameaças de encerramento pelo Ministério do Ambiente, caso não adotasse as medidas tidas como essenciais pela legislação em vigor.

Mais artigos
1 De 504

Os municípios ribeirinhos não quiseram deixar de se associar a esta ação de protesto, tendo autarcas e população marcado presença, com destaque para uma grande comitiva de Valada. Presentes estiveram, igualmente, autarcas e populações de Abrantes, Azambuja, Cartaxo, Constância, Entroncamento, Gavião, Mação, Vila Nova da Barquinha, Azinhaga, Ortiga, Praia do Ribatejo, Tancos, Nisa, São João, São Vicente, Alferrarede e Chamusca, de forma organizada, em como manifestantes espanhóis. Do Cartaxo, por exemplo, estiveram presentes representantes de todas as forças políticas.

Esta manifestação contou, também, com a presença ativa de associações ambientalistas associadas do proTEJO, como o Movimento Cívico Ar Puro, a EcoCartaxo, o GEOTA, o Movimento Ecologista do Vale de Santarém, a QUERCUS e a ZERO.

No final da manifestação, nas imediações da Celtejo, o proTEJO apresentou um manifesto, que relata que “a manifestação de hoje foi de cidadãos e para os cidadãos, tendo sido dada a voz aqueles que mais têm sofrido e sido prejudicados pela extrema poluição que tem assolado o rio Tejo no seu curso desde Vila Velha de Ródão a Lisboa.

Nas suas mensagens, estes cidadãos manifestaram as suas perdas sentimentais e materiais devido à poluição do rio Tejo e seus afluentes e solicitaram a adoção de ações e medidas de combate à poluição ao Senhor Ministro do Ambiente e às autoridades competentes em matérias de políticas de água e de fiscalização ambiental.

Considerando o manifestado por todos estes cidadãos, o proTEJO requer ao Senhor Ministro do Ambiente que sejam tomadas as seguintes medidas:

1º. Uma fiscalização contínua e eficaz dos potenciais focos de poluição e dos alvos com risco de poluição localizados na zona de Vila Velha de Ródão;

2º. A revisão da licença de descarga de efluentes da Celtejo no rio Tejo para valores que garantam o objetivo de alcançar o bom estado ecológico das massas de águas do rio Tejo ao longo de todo o seu curso em território português.

O Tejo merece!”.

 

  • Fotos: Alicina Mil-Homens

 

Pode gostar também

Comentários estão fechados.