Museu dos Patudos

Casa dos patudos, deixada por José Relvas ao município de Alpiarça

Recheada com um espólio bastante eclético, com peças das mais variadas épocas e estilos, a Casa dos Patudos, por onde passaram os principais intelectuais do início do século XX, abarca uma das maiores coleções de arte privadas do País.

Uma casa secular com muita história

Relvas, nascido no início da segunda metade do século XIX, juntou nesta casa, para onde foi viver em 1888, pinturas, esculturas, mobiliário, azulejaria, têxteis, relógios, faianças e porcelanas, que marcam a história da arte de vários países europeus e asiáticos, desde os finais da Idade Média ao início do século XX. O seu espólio tornou-se tão numeroso que decidiu ampliar a quinta, entregando, em 1904, o projeto de arquitetura a Raul Lino, que também se encarregou da decoração de alguns espaços interiores.

 

Museu dos Patudos1Do amplo espaço exterior ao interior da casa, são deslumbrantes os pormenores arquitetónicos e o requinte dos materiais que, ao longo da visita, se vão dando a conhecer. E a par da história que o espaço e os objetos contam, por si só, transparecem as vivências do seu proprietário e respetiva família, em diversas salas e salões com generosas entradas de luz natural.
Desde que é museu, a casa dos patudos, que foi deixada por José Relvas ao município de Alpiarça, mantém-se praticamente inalterada, no que diz respeito ao mobiliário e ao normal funcionamento da casa, embora várias peças tenham sido retiradas por uma questão de preservação. Houve também algumas alterações em termos de decoração para facilitar a visita e melhorar o visionamento das obras.
As várias entradas de luz natural, proporcionadas por janelas e clarabóias, estão muitas delas tapadas são impiedosas para a conservação de peças mais sensíveis Também notável é a coleção de tapeçarias de Arraiolos, com 40 exemplares, entre os quais um bordado a seda sobre linho datado de 1761.

 

Museu dos Patudos2Colecionador esclarecido
Cidadão patriótico, culto e com um gosto apurado pela arte, José Relvas, graduado em Letras, era um colecionador esclarecido que mantinha um circulo de amigos inteletuais e artistas, muitos deles convidados nesta sua quinta, em plena lezíria ribatejana, que também o ajudaram a aumentar a riqueza do seu espólio artístico, alertando-o para leilões de interesse.

Eram frequentes as viagens de Relvas à Europa, onde aprofundou o seu interesse e conhecimento pela arte. Alguns escritos descrevem visitas que fez ao museu do Louvre, em Paris, com um enorme detalhe das salas que visitou e um profundo conhecimento das obras que viu e cujos autores e correntes artísticas estudou e aprofundou. Na biblioteca da casa permanecem vários livros de arte que comprovam esse seu interesse e amplo conhecimento pela arte.

Também a música estava muito presente na vida de Relvas. Músico amador, tocava violino, algumas vezes em público, e gostava de ter música em casa, tendo adquirido uma pianola eléctrica que tem a particularidade de tocar ‘sozinha’.

 

Museu dos Patudos3No vasto espólio predominam trabalhos de autores nacionais, como Columbano e Rafael Bordalo Pinheiro, Silva Porto, Soares dos Reis, Henrique Franco, Tomás da Anunciação, António Ramalho, Josefa de Óbidos, entre tantos outros. De Malhoa, um amigo chegado e pintor oficial da família, tem cerca de 30 obras, uma das quais retratando o seu cão, Kaiser.

Infelizmente, este virtuoso homem, que preparou e proclamou a implantação da República em 1910 e desempenhou depois importantes funções públicas no novo regime (ministro das finanças, ministro plenipotenciário em Madrid e, posteriormente, presidente do ministério), é pouco conhecido da maioria dos portugueses, que também desconhecem esta casa-museu.

info

acesso
EN3, N114, IC10, N118

localização
Rua José Relvas – Alpiarça
Informações – Tel. 243 558 321
museudospatudos@cm-alpiarca.pt

horário
de Abril a Setembro – 10h/12h – 14h/18h
de Outubro a Março – 10h/12h30 – 14h/17h
encerra às 2ªs. feiras, 2 e 25 de Abril, 1 de Maio, Domingo de Páscoa e 25 de Dezembro

preçário
grátis até aos 12 anos,
estudantes, cartão jovem e reformados, 1,25€
bilhete normal, 2,50€

Pode gostar também

Comentários estão fechados.