Não sou um acessório de moda!

Pode parecer simples, mas ter um cão implica muito mais preocupações do que se julga. Contudo, para quem sabe realmente o que quer, escolher um destes animais para convívio e companhia pode ser uma ótima experiência

chihuahua-624924_1280O Centro da Associação de Proteção aos Animais Abandonados do Cartaxo (APAAC) acolhe dezenas de cães que vão sendo abandonados por diversos motivos, entre os quais a inadaptação dos donos ao animal. Umas vezes porque o animal escolhido não corresponde às suas necessidades, outras porque ter um animal exige tempo, paciência e transtornos na rotina diária.

O ato de adquirir um cão acontece muitas vezes de forma irrefletida. Ter um cão é uma responsabilidade que dura toda a sua vida (pelo menos, uma década). Durante esse tempo, ou mais, o cão precisa de ser alimentado diariamente, regularmente vacinado e desparasitado, escovado e caso não tenha um espaço ao ar livre terá de ser acompanhado à rua, mais do que uma vez por dia, para passear e fazer as necessidades. E para que tudo corra melhor na relação entre o dono e o cão é necessário que este seja educado e treinado.
Para além disso, nem todos os cães são iguais: há cães grandes e pequenos, com pelo comprido e curto, irrequietos ou mais calmos, uns mais dóceis que outros. Enfim, há cães para todo os gostos. Daí que na altura de adquirir um cão seja necessário conhecer todas as raças e as respetivas características devendo a escolha do animal ser feita mediante a finalidade do dono e as condições que este tem para lhe proporcionar uma vida feliz e harmoniosa.

Na APAAC é dado o devido aconselhamento sobre a aquisição de um animal de estimação. Afinal, os conhecimentos e experiência dos especialistas e interessados por este tipo de animais de estimação ajudam sempre nestas decisões.

dogs-858924_1280Para que é que eu quero um cão?
Não se deve escolher um cão só por questões de moda. Um cão é mais do que um acessório; é um ser vivo que precisa de atenção e carinho, logo disponibilidade. A atenção que se pode dedicar ao animal de estimação deverá ser um aspecto a tomar em conta, assim como o espaço que lhe está destinado e o dinheiro que tem para se gastar com ele. Se for um cão de grande porte precisa de mais alimento e de mais espaço ou disponibilidade do dono para sair frequentemente em passeios, faça chuva ou faça sol.

Tratando-se de um cão de companhia, que compartilhará a maioria dos espaços da casa, convém pensar bem no tipo de pêlo a escolher (curto, comprido, ondulado, liso, fino, “pêlo de arame”), que varia tanto em cães grandes como pequenos.

Se, pelo contrário, o que se quer é um cão de guarda, que fique no exterior da casa a impedir a entrada de intrusos, saiba que há raças específicas, bem eficazes na sua missão.

Escolho macho ou fêmea?
Para além da raça, do pêlo e do tamanho, é preciso escolher o género do animal. Nenhum é melhor que o outro; são diferentes, ambos com coisas boas e coisas más.

Geralmente, o macho tem um caráter mais independente, dominante e de difícil controlo se não for treinado e obediente. As fêmeas, à partida, são mais doces e mais apegadas ao dono. Têm o inconveniente do cio. De seis em seis meses as cadelas passam por este período, correndo riscos de engravidar e ter grandes ninhadas, caso não se tomem precauções. Quando adotadas no Centro da APAAC, as fêmeas são esterilizadas gratuitamente de modo a evitar o nascimento de mais animais indesejados.

Uma coisa é certa, saiba que se adotar um cão o mesmo pode viver, em média, cerca de 15 anos ou mais, e nada justificará o seu abandono. Se a sua decisão for coerente e sensata será recompensado com um companheiro fiel e um amigo dificilmente comparado a outro.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.