Núcleo Museológico da Igreja Matriz de Pontével

Opinião de Zelinda Pego

Possui Pontével um pequeno núcleo museológico, na chamada “Casa do Despacho” da Igreja Matriz. Várias imagens, objectos litúrgicos, livros de missa, estelas funerárias, arca com o cordeiro místico, uma tela que simboliza a apresentação da Virgem no Templo de autor desconhecido, são peças centenárias, umas restauradas, outras ainda não, que fazem parte desta exposição permanente incluindo as pinturas quinhentistas, da autoria de Ambrósio Dias, o Mestre da Romeira, pintor da Escola Maneirista de Santarém, séc. XVl.

Este tríptico, a Ressurreição, o Pentecostes e a Ascensão, constituíam o retábulo do altar-mor da capela de Nª Srª do Desterro. Foram encomendadas por Manuel de Almeida Negrão e sua mulher Margarida Torres Rijo, que viviam em Pontével, no séc. XVl, “à lei da nobreza”, tendo também encomendado um retábulo igual para a igreja Matriz. Do retábulo da igreja Matriz, chegou até aos nossos dias apenas uma Ressurreição que durante anos esteve pendurada na capela-mor à entrada para a sacristia. Quanto ao retábulo da Capela da Srª do Desterro, esteve na capela até à sua demolição, finais dos anos 60, após o que se lhe “perdeu o rasto”.

Nos finais dos anos 90, a Drª Teresa do Desterro, do Instituto Politécnico de Tomar, procurou os referidos quadros por indicação do Dr Victor Serrão, seu orientador da tese de mestrado, “ O Mestre da Romeira e o Maneirismo Escalabitano”. Procuraram-se, pelos mais variados sítios, arrecadações, adegas, etc. mas não se encontraram.

Soube depois que “algumas coisas” da Capela da Srª do Desterro estavam “armazenadas” no armazém da Junta de Freguesia, no Carrascal.

Após algumas tentativas para visitar o local, mas sem êxito, consegui finalmente autorização do Dr. Fernando Amorim, recém presidente da Junta de Freguesia na altura, para procurar os referidos quadros. O “armazém” foi praticamente despejado e já quase sem esperança, começam a aparecer umas tábuas que estavam no chão, a servir de base às pastas de arquivo de documentos da junta de Freguesia.
Os jornais da época noticiaram: “Nª Srª do Desterro repete o milagre em Pontével: Valiosas pinturas do séc. XVl, da autoria do Mestre da Romeira, redescobertas numa arrecadação da autarquia de Pontével, à mistura com o lixo”.

E assim apareceram os quadros do Mestre da Romeira, hoje restaurados pelo Instituto Politécnico de Tomar e que podem ser visitados no pequeno Núcleo Museológico da Igreja Matriz de Pontével.

Mais artigos
1 De 295

*A autora não adopta o acordo ortográfico vigente.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.