Orçamento Participativo Escolar já tem projetos aprovados

Alunos do primeiro ciclo dos dois agrupamentos de escolas do concelho reuniram-se em assembleia para apresentar projetos para as suas escolas

Ideias para o projeto piloto do Orçamento Participativo Escolar da Escola do Norte, no Cartaxo, e da Escola Básica de Vale da Pinta foram as mais votadas pelos alunos do 1º ciclo do concelho, recebendo, cada uma delas, 2.500 euros para a sua execução.

Na passada sexta-feira, 16 de junho, alunos do primeiro ciclo dos dois agrupamentos de escolas do concelho reuniram-se em assembleia para apresentar projetos para as suas escolas, no âmbito do Orçamento Participativo Escolar, uma iniciativa da Câmara Municipal do Cartaxo.

Depois das sessões de apresentação do projeto piloto do Orçamento Participativo Escolar (OPE), que decorreram em todos os estabelecimentos de ensino do 1º ciclo durante o mês de maio, e de as escolas terem enviado as propostas à equipa técnica do OPE, os alunos apresentaram e defenderam os seus projetos e todos votaram, alguns pela primeira vez, em assembleia, naquele que acharam ser merecedor dos 2.500 euros do orçamento previsto pela autarquia para esta iniciativa.

Na verdade, são 2.500 euros para cada agrupamento, que depois das assembleias de sexta-feira decorridas, de manhã, no Centro Cultural do Cartaxo, onde votaram 156 alunos (embora estivessem presentes cerca de 200) do Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita do Cartaxo e, na Sociedade Filarmónica Incrível Pontevelense, à tarde, com 90 alunos do Agrupamento de Escolas D. Sancho I de Pontével, elegeram o projeto Sala Digital, da Escola nº 2 (Escola do Norte), no Cartaxo, com 45 votos, e o projeto Reabilitação do Parque Infantil e da Vedação Rústica dos Espaços Ajardinados, da Escola Básica de Vale da Pinta, com 21 votos.

A aventura começou logo de manhã, no Cartaxo, com o auditório José Saramago, no Centro Cultural, a ser ocupado pelos alunos das quatro escolas do primeiro ciclo do Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita que, acompanhados dos respetivos professores, apresentaram o projeto para melhorar a sua escola, assim como assistiram aos projetos ali apresentados e defendidos pelos colegas das outras escolas.

Mais artigos
1 De 524

Presente esteve o presidente da Assembleia Municipal do Cartaxo, que agradeceu a participação dos alunos, lembrando-lhes que tal como na Assembleia Municipal, eles aqui “são pequenos deputados que vão apresentar propostas, defendendo-as e depois votando para aprovar a melhor proposta” e se não for a sua a melhor proposta devem respeitar a proposta vencedora. “Este é o espírito da democracia”, afirmou.

A Sala Digital foi o projeto vencedor, da Escola do Norte, com orientação dos professores Dorinda Alexandre e Rui Pedroso, e prevê melhorar o pavilhão anexo à escola com a introdução de computadores e melhoria dos equipamentos para utilização dos alunos, introduzindo as novas tecnologias da informação no âmbitos das aprendizagens. Em segundo lugar ficou o projeto Informa em Forma, da Escola nº 3, orientado pelas professoras Filomena Andrade e Cristina Marques, que pedia mais material portátil para a prática de desporto, como tabelas de basquete, bolas, entre outros equipamentos que permitam aos alunos uma maior variedade na prática do desporto, mas também tablets, pois não têm material de informática na escola.

Em terceiro lugar, a Escola Básica nº 1 José Tagarro pediu mais computadores, com o projeto Em cada sala, por favor, um computador e mais… Os alunos desta escola, orientados pelas professoras Maria de São José Devesa e Elisabete Marques Pereira, apresentaram um vídeo feito na escola com os meninos a pedir mais computadores, um por sala, pois os que têm não são suficientes para todos, havendo alguns avariados, o que dificulta ainda mais o acesso de todos ao computador nas salas de aula. Para além disso, os alunos incluíram ainda no seu projeto, e dentro do orçamento disponível, bebedouros nos espaços de recreio, assim como mais relva para poderem brincar e jogar sem se magoarem muito.

Por sua vez os alunos da Escola Básica de Vila Chã de Ourique, orientados pela professora Paula Manuela Ferreira, apresentaram o projeto Aprender a ser pessoa brincando, que previa equipamentos e jogos para o pátio, onde os meninos possam brincar e jogar no recreio, assim como mesas e cadeiras para poderem comer, conversar e jogar às cartas.

Depois de apresentados todos os projetos os alunos votaram nas propostas apresentadas, em dois grupos. Metade dos alunos em assembleia saíram da sala para votar no projeto que acharam mais válido, sem ser o que a sua escola apresentou, enquanto a outra metade se mantinha no auditório a assistir a curtas metragens de animação da Pixar. Terminada a votação do primeiro grupo, trocaram-se os lugares e os que já haviam votado (e lanchado) voltam ao auditório para ver os filmes, enquanto os colegas votavam.

Tudo isto se repetiu, à tarde, em Pontével, no auditório Eugénio Filipe da SFIP, com 90 alunos das seis escolas do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. O projeto vencedor foi da Escola Básica de Vale da Pinta, orientado pelos professores Carlos Soares, Maria de Lurdes Ferreira e Mário Júlio Reis, que pedia Reabilitação do Parque Infantil e da Vedação Rústica dos Espaços Ajardinados. Em segundo ficou o projeto Lapinhas virtuais da Escola Básica da Lapa, orientado pela professora Luísa Isabel Rocha. Em terceiro lugar ficou o projeto Uma Escola para todos da Escola Básica de Vale da Pedra, orientado pelos professores Eduíno Fonseca, Antonieta Ouro, Ana Patrícia Francisco e Patrícia Santos. Em quinto ficou a Escola Básica da Ereira com o projeto Fábrica da Imaginação, orientado pelas professoras Cláudia Gonçalves e Sofia Sousa. A Escola Básica dos Casais Penedos ficou em quinto com o projeto Alegria no Campo – Viva o Desporto, orientado pelos professores Mafalda Penedos e Mónica Franco. Em sexto lugar ficou a Escola Básica de Pontével com o projeto OPErAr-te, orientado pelas professoras Ana Isabel Graça e Magda Ascenso.

No final de ambas as sessões, no Cartaxo e em Pontével, o vice-presidente da Câmara Municipal agradeceu a todos os envolvidos neste projeto piloto, “que em pouco tempo elaboraram e apresentaram os seus projetos, todos vencedores, que são um bem para todos e não só para alguns”, acrescentando que “é tudo para o bem comum”.

Por sua vez, também os presidentes dos dois agrupamentos felicitaram esta iniciativa, agradecendo à Câmara a sua disponibilidade. Jorge Tavares, do Agrupamento de Escolas do Cartaxo, agradeceu a todos os professores o trabalho desenvolvido, assim como aos alunos, lembrando que “os treinadores podem ser muito bons, mas se os jogadores não marcarem golos nada feito”. Luís Bruno, presidente do Agrupamento de Escolas de Pontével, “felicitou todos pela participação e empenho e pela rapidez com que responderam às expetativas da Câmara Municipal”.

Quanto aos alunos, desde os que apresentaram, aos que apoiaram, todos participaram ativamente no projeto que visava a melhoria do seu espaço escolar. Os que venceram saíram, naturalmente, mais contentes que os outros, convidando todos a partilhar da sua conquista, porque o que conseguiram é para partilhar. Certo é que todos ficaram a conhecer um pouco melhor como funciona o sistema democrático, onde umas vezes se perde e outras se ganha. Para o ano há mais!

Pode gostar também

Comentários estão fechados.