Pedro Ribeiro pede intervenção do Governo na Fleximol

Insolvência da Fleximol leva o presidente da Câmara do Cartaxo, Pedro Ribeiro, a pedir intervenção do ministro da Economia e da ministra do Trabalho.

Em comunicado às redações, a Câmara Municipal do Cartaxo dá conta da preocupação de Pedro Ribeiro relativamente à situação da Fleximol – Suspensões para Veículos, SA, que este mês entrou em processo de insolvência. O presidente da Câmara, em ofício dirigido esta segunda-feira, 20 de julho, ao ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e à ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, solicitando, “com a urgência que a situação exige, um pedido de agendamento de reunião com a presença de ambos e uma visita às instalações da empresa, para analisar o problema, também com representantes da CGTP, da empresa e dos trabalhadores”.

Para Pedro Ribeiro, a insolvência da empresa, situada na Zona Industrial do Cartaxo, em Vila Chã de Ourique, e que emprega cerca de uma centena de trabalhadores, “terá efeitos devastadores na nossa economia local e numa população já fragilizada e afetada com a situação de pandemia que vivemos, sem fim à vista”.

Esta não é a primeira vez que a empresa Fleximol enfrenta dificuldades graves e, no final de junho de 2019, alguns dias depois de ter visitado a empresa, Pedro Ribeiro promoveu uma reunião entre a administração e investidores potenciais interessados na aquisição desta.

A situação desta empresa de suspensões de folha de mola e braçadeiras para veículos comerciais, que exporta cerca de 90 por cento da sua produção, agravou-se e, no presente mês, entrou em processo de insolvência.

A relevância desta empresa, “que emprega 96 trabalhadores, é indiscutível, no panorama nacional e local. O seu encerramento terá repercussões na economia local, mas os problemas sociais associados também me preocupam. São famílias inteiras que, num período já difícil, em que as consequências da pandemia da doença COVID-19 se fazem sentir em muitos níveis, se veem agora na perspetiva de perder o seu emprego e o seu sustento”, diz o presidente da Câmara Municipal, adiantando que contactou a administradora da empresa, Inês Carmona, “que me informou que existe a convicção de que a empresa possa continuar a laborar através de um plano de recuperação para o efeito”. 

Mais artigos
1 De 528

“Pretendemos que sejam avaliadas todas as hipóteses”, diz Pedro Ribeiro, que gostaria “de ver recuperada esta empresa essencial para a nossa economia e minimizados os efeitos que um encerramento assim abrupto traz ao Cartaxo e à nossa população”.

A Fleximol, com sede na Zona Industrial do Cartaxo, em Vila Chã de Ourique, abriu portas em 1991. Fornece os fabricantes de camiões mais reputados na Europa, sendo ainda fornecedor exclusivo para as linhas de montagem em Portugal, da Mitsubishi e Toyota.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.