Pontével, terra de tradição jornalística

Opinião de Zelinda Pego

Todos conhecem o jornal “A Voz de Pontével” que por iniciativa de João da Silva Pimenta, “um pontevelense, a quem Pontével muito deve”, teve a sua primeira edição como número único, em Janeiro de 1957, embora o seu primeiro número com carácter oficial se viesse a verificar em Abril do mesmo ano.

Foi propriedade do Centro de Recreio Popular, da Casa do Povo, da Junta de Freguesia, e desde 2008, é propriedade da Associação Rio da Fonte.

Contudo antes de “A Voz de Pontével” existiram vários jornais; é conhecido o jornal “ A Verdade” de  1906,  mas desde 1876 que já circulavam jornais em Pontével

São jornais manuscritos, constituídos por folhas de papel ligeiramente maiores que o actual A4, têm data, dia e ano, título das notícias e local da redacção assim como o nome do corpo redactorial; quanto a conteúdos, imperam os motivos políticos, crítica social,  e algumas notícias sobre a terra e a sociedade local.

No mês de Maio  de 1876 e em vários dias da semana, circularam em simultâneo  dois  jornais, dos quais chegaram até nós alguns exemplares ;

O “Burrical,” 6ª feira 12 de Maio e sábado, 13 de Maio; o“Chicote dos Burros,”de Domingo,14 de Maio, de 2ª feira, 16 de Maio, e de 5ª feira, 18 de Maio.

Mais artigos
1 De 295

Em 1888, aparece “O Telefone Picante”,  “A Farpa, e “os Dois Zés.

O “Telefone Picante” tem na sua 1ª página, a seguinte informação:

Pontével, terça-feira, 8 de Maio de 1888

Redacção: Alto  de S. Gens; Jornal satírico, burlesco, e  noticioso. Publicação semanal; Administração, Val da Rôla; Toda a correspondência deve de ser dirigida a: Simão Canudo, Moinho do Lobo.

Na última página, traz uma crítica ao derrube do alpendre da Capela de Nª Srª do Desterro, que se verificou em 1888, com desenhos legendados, alusivos ao acto, que elucidavam as correntes contra e a favor de referido derrube, mostrando  no final um bacio cheio, e com a seguinte legenda: “ o embargo, reduzido a…”.

De “A farpa”1888, de “Os Dois Zés”1888, de “A Verdade 1906 e de “A Mentira”, ocupar-me-ei no próximo número.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.