Tendinites um problema com solução ou para toda a vida?

Por Ilídio Vargas

736

Termo cada vez mais familiar no nosso quotidiano, a tendinite é uma patologia que pode afetar o nosso bem estar e a qualidade de vida.

O tendão é uma estrutura densa que liga a extremidade do músculo ao osso, onde este se insere, e quando apresenta um processo inflamatório chamamos tendinite. A causa principal é um traumatismo direto sobre a estrutura ou pela repetição continuada de um movimento, ao longo do tempo, que resulta numa sobrecarga do tendão e que pode estar relacionada com a atividade laboral ou com a prática desportiva.

Podemos classificar as tendinites em 3 graus: grau 1 – a dor surge após o esforço; grau 2 – a dor surge no momento do esforço, limitando-o; grau 3 – a dor é contínua com maior tendência a surgir durante a noite.

Normalmente, nas primeiras fases, grau 1 e 2, quando a dor não é constante e não surge todos os dias, as pessoas tendem a acreditar que os sintomas podem desaparecer com o tempo, o que nem sempre ocorre porque a inflamação não foi devidamente tratada e pode agravar. Este é o momento ideal para consultar o médico, uma vez que a tendinite consegue-se resolver, de forma breve, com medicação e/ou fisioterapia.

Outras possibilidades de tratamento são as medicinas alternativas como a osteopatia e a acupuntura.

A maioria das pessoas só procura ajuda quando a dor é permanente, grau 3, sinónimo de uma inflamação mais acentuada e com uma resolução muito mais difícil. Nesta fase, a terapêutica poderá ser muito mais prolongada e com uma taxa de sucesso menor e com o risco de vir a desenvolver-se uma situação crónica.

A tendinite tem solução, principalmente quando tratada a tempo!

 

5 exercícios que previnem o surgimento de tendinites no ombro

1–Colocar o bastão atrás da cabeça e repetir este movimento 15 vezes.

2–Encostar o braço ao peito e manter durante 20 segundos. Repetir 3 vezes cada membro.

3–Cruzar os dedos, virar a palma da mão para fora a elevar os membros durante 20 segundos, repetindo 3 vezes.

4–Segurar numa toalha como indica a figura e fazer o movimento alterado para cima e para baixo com os braços repetindo 10 vezes.

5–Colocar a palma da mão à parede e avançar com o corpo para alongar o membro. Manter 20 segundos e repetir 3 vezes em cada membro.


Ilídio Vargas é Osteopata e Fisioterapeuta no Centro de Fisioterapia do Cartaxo – Ceficarte

 

Pode gostar também