Valada acolhe centro cultural flutuante

De 9 a 12 de junho, Valada vai acolher um centro cultural flutuante. O Centro Cultural a Bordo vai chegar pelo Tejo exatamente como aquilo que é – um barco à vela feito embaixada nómada para as artes de rua.

Na carga traz teatro e vídeo projeção, oficinas e atividades de criação. A sua viagem pelo rio é tão real quanto a viagem que vai fazer, em estreita colaboração com a população, pela cultura ribeirinha. É desta colaboração que vai nascer o espetáculo final de vídeo projeção nas velas da embarcação, que pode ser visto da margem no dia 11 de junho, sexta-feira, às 21h30 em antestreia e no dia 12 de junho, sábado, à mesma hora.

Para a boa navegação, há muita gente e muitas instituições a colaborar – como a Câmara Municipal do Cartaxo –, mas como em todos os barcos, o piloto é muito importante. Neste caso, Nuno Paulino junta à pilotagem, a encenação.

Não perca esta “pilotagem” pela cultura ribeirinha do nosso concelho. Escolha um lugar nas margens do Tejo e descubra o que pode “acontecer” nas velas de um barco.

Projeto da companhia artelier?
“Mar intimo “, é a primeira missão artística do Projeto “Por Mares” da companhia Artelier? que procura novamente aliar etnografia e criação contemporânea para as artes de rua.

O projeto vai aliar uma digressão livre de carbono, viajando à vela de porto em porto de forma sustentável e em contacto com a natureza procurando revelar a urgência da sua valorização e defesa bem como dos seus habitantes, fauna e flora, e claramente das suas águas e territórios ribeirinhos visando a sua proteção.

Ler
1 De 279

As criações da “embarcação – centro cultural” procuram apresentar em cada cais, momentos originais de teatro circo e música, e contam com performances de vídeo nas velas da embarcação e uma banda sonora original inspiradas tanto na cultura local e avieira, do Tejo, como no imaginário náutico e marítimo.

Pela primeira vez uma companhia nacional leva em digressão e em embarcação própria, um projeto artístico navegando de cais em cais ao longo da costa nacional e principais estuários, vias navegáveis e eixos ribeirinhos em parceria com o Festival Imaginarius onde estreia a versão dramatúrgica final em setembro 2021. Para a missão no Rio Tejo contou com a parceria da CIMLT – Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo e do MARE.

A companhia procura uma aventura de arte e sublimação que – para além da dimensão de novo paradoxo para as artes de rua e sublimação estética da viagem –, explore a “inversão da posição do olhar entre a terra e o mar e os territórios ribeirinhos, a superfície e a profundidade!”.

O projeto resulta de uma parceria entre a New Green Deal MARE Centro de Ciências do Mar e do Ambiente e Bandeira azul ABAE / A música Portuguesa a gostar dela própria, financiada por – Garantir Cultura/ compete2020.

Pode gostar também