Valada tem os mesmo problemas de há anos

 

Realizou-se na segunda-feira, 21 de novembro, mais uma reunião de Câmara do Cartaxo descentralizada, que desta vez teve lugar em Valada, nas instalações do Centro de Dia e ATL “O Tejo”.

Uma freguesia que se debate com os mesmo problemas de há cerca de uma década. Manuel Alfredo Fabiano, presidente da Junta de Freguesia, disse que “já sou presidente há alguns anos e esta é a terceira ou quarta reunião descentralizada da Câmara Municipal e, se eu quisesse, neste momento faria uma intervenção igual àquela que fiz quando foi feita a primeira reunião de Câmara Municipal descentralizada na freguesia de Valada”. Isto quer dizer que “os problemas que existiam no início, quando começaram a ser realizadas estas reuniões descentralizadas, há mais de sete ou oito anos, e os problemas que se apresentavam na altura são exatamente os mesmos problemas que se apresentam hoje, com a agravante de os mesmos se virem a acumular, e alguns novos que foram aparecendo”, esclareceu.

Alguns exemplos desses problemas são o saneamento básico de Porto de Muge, “que se arrasta ao longo dos anos”, a construção da nova ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais) em Valada, o atual posto médico, que está em risco de fechar, os veículos pesados dentro das localidades, a degradação da escola de Valada, que se está a degradar a olhos vistos, as restrições impostas pelo PDM (Plano Diretor Municipal), a ponte de Santana ou os diques, cuja manutenção é deficiente, entre outros.

Fernando Amorim, que presidiu à reunião, lembrou que o terreno onde está instalada a ETAR já é da autarquia e que existe financiamento para a alteração desta estrutura. As obras deverão entrar no terreno em breve.

Quanto à escola, o Município pretende aproveitar os projetos de turismo rural que estão a surgir na freguesia para a reabilitar, sendo que existe a intenção de concessionar uma parte do edifício.

Mais artigos
1 De 92

No que respeita aos diques, ao rio e ao PDM, “temo aqui um problema com a APA (Agência Portuguesa do Ambiente). A ausência de respostas é muita. Nós insistimos e continuamos sem respostas”, referiu o autarca.

Quanto ao posto médico, está a ser acabada a “orçamentação real das obras necessárias para fazer este posto de saúde. O senhor presidente da Junta disse que ia por uma verba em Orçamento para as obras, o Município do Cartaxo já pôs essa verba em Orçamento 2017. Não é uma verba com um número muito largo, mas pensamos que também, com a parceria entre as três entidades, Administração Regional de Saúde, Junta de Valada e Câmara Municipal, conseguimos realizar as obras, para manter o posto de saúde aberto. Se existem locais onde este equipamento faz sentido Valada, sem dúvida, é um desses locais”, esclareceu Fernando Amorim.

 

Pode gostar também

Comentários estão fechados.