David Lobato deixa Bombeiros do Cartaxo

Esta quinta-feira, 9 de abril, o comandante dos Bombeiros Municipais do Cartaxo deixa o cargo e, a partir de amanhã, David Lobato é o novo segundo Comandante Distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Santarém.

Depois de 26 anos na corporação dos Bombeiros Municipais do Cartaxo, sete enquanto comandante, David Lobato aceitou o convite para ser o novo segundo CODIS ao lado do seu camarada Mário Silvestre, atualmente à frente do Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém e ex-comandante dos Bombeiros Municipais do Cartaxo (saiu em junho de 2013).

A saída de David Lobato do comando do quartel do Cartaxo partiu de um convite da ANEPC – Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, que, segundo conta ao Jornal de Cá, já tinha sido feito há uns anos e, na altura, recusou, “porque ainda tinha aqui trabalho para fazer”. Agora, diz, “é altura de fechar aqui um ciclo”. Com a lei que saiu no ano passado, que permitiu a passagem de bombeiros municipais a sapadores e cujo curso, no Cartaxo, já foi aprovado em Assembleia Municipal, fazendo “justiça aos assistentes operacionais que têm desempenhado sempre, com muito brio e profissionalismo, a função de bombeiros, sem serem ressarcidos disso”, já pode sair com sentido de dever cumprido. “Esse foi o meu último objetivo. Sempre disse que não saia daqui enquanto esse objetivo não fosse alcançado”, revela.

Ao Jornal de Cá, David Lobato, diz orgulhar-se muito do seu corpo de bombeiros e sublinha: “deixo um corpo de bombeiros organizado, em conjunto com os meus elementos de comando (Paulo Silva e Vítor Rodrigues), que irão ficar. Fizemos aqui um trabalho muito bom, também com a colaboração de outros elementos. Deixamos um corpo de bombeiros de referência, também a nível distrital e não ficamos aquém de nenhum dos corpos de bombeiros a nível nacional. Somos pequeninos, mas bons”. E reconhece que deixou um cunho pessoal nesta corporação, nomeadamente em termos de organização e de gestão do pessoal, “sem regras muito militaristas”, mas sempre com o rigor no cumprimento das regras. Dá ainda como exemplo, do trabalho destes últimos anos, como a criação de equipas especializadas, a criação de um veiculo “idealizado por nós e que conseguimos que fosse olhado de maneira diferente por outros corpos de bombeiros profissionais”, marcaram a diferença, a partir de 2013, com a introdução de equipamentos mais eficientes e de acordo com os diferentes serviços, assim como inovaram na forma como começaram a comunicar com a população, através das redes sociais.

Outro bom exemplo do comando da corporação do Cartaxo foi o plano de contingência elaborado no âmbito da pandemia da Covid-19. Como exemplo de boas práticas para o que devia ser feito nesta altura, foi enviado pelo CDOS e aproveitado por várias corporações que o adotaram nesta fase.

Depois de missão cumprida no Cartaxo, David Lobato, que não concorda com uma “eternização nos cargos”, passa agora a outro patamar – do comando à coordenação dos agentes da proteção civil. Continuará com ligação ao quartel do Cartaxo, porque passará pela suas mãos a coordenação dos corpos de bombeiros, mas para além destes, nomeadamente “numa operação de grande envergadura, terá de coordenar todos os agentes da proteção civil: PSP, GNR, INEM, Bombeiros, Segurança Social, etc.”. A sua função será, a partir de amanhã, “criar sinergias entre as várias forças envolvidas numa operação, para que todos saibam qual o papel a desempenhar para atingirmos todos o mesmo objetivo”. Tudo isto, lado a lado com Mário Silvestre, com quem já teve oportunidade de trabalhar, nos Bombeiros Municipais do Cartaxo. “Trabalhámos juntos e fizemos um bom trabalho.”

Mais artigos
1 De 446

David Lobato lamenta que a sua saída coincida com esta fase de contingência no quartel devido à Covid-19, sobretudo porque não pode despedir-se de todos como gostaria. “Tive que enviar um email para todos com uma carta de despedida. Queria que fosse numa reunião geral, numa formatura e depois fazíamos um jantar…”, confessa com alguma tristeza. Conta que, entretanto, vem recebendo “muitas mensagens escritas a agradecer e a dizer que contam sempre comigo e que eu também posso contar com eles” e, ao logo desta última semana, tentou despedir-se de todos pessoalmente. E deixa a promessa de voltar, em breve, para se despedir daqueles que não teve oportunidade nestes dias, portanto ainda vai haver mais tempo para lágrimas.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.