PSD quer arquivo documental organizado

Cartaxo, 27/09/2016 - Reuniao Camara Municipal do Cartaxo ( Vitor Neno / Neno Photo )

 

As suspeitas do PSD Cartaxo confirmam-se: o arquivo documental da Câmara Municipal do Cartaxo está em más condições.

Este arquivo está localizado em dois locais, nas antigas instalações da PSP da cidade e nas Piscinas Municipais.

O PSD visitou o arquivo nas Piscinas Municipais e chegou à conclusão que as coisas são tão más como julgava.

Há muito que o PSD Cartaxo defende a necessidade de criação de um arquivo municipal.

Segundo o vereador Vasco Cunha, aquele “arquivo” não passa de um amontoado de dossiers e maços de papel.

 

Mais artigos
1 De 509

[acx_slideshow name=”Arquivo Piscinas 2016″]

 

(Fotos: Vasco Cunha)

 

O vereador diz que os documentos estão organizados sem critério, apenas segundo a boa vontade da funcionária.

Neste local encontram-se os documentos desde 1946 até ao ano de 2002.

Os documentos daí para a frente estão nas antigas instalações da PSP.

Este local, há cerca de seis meses, estava ainda mais desorganizado e mais parecia um depósito de papéis.

Vasco Cunha admite que nem todos os documentos terão interesse, mas adianta que, por exemplo, os projetos de urbanismo do concelho poderão ser alvo de consulta.

Por isso, importa encontrar um sítio mais adequado e definir critérios de arquivamento.

O PSD entende que estes documentos não terão de estar juntamente com o arquivo histórico do concelho, a instalar na antiga GNR, mas “tem de haver alguém que pegue naquela documentação e a organize”, concluiu.

O presidente da autarquia, Pedro Ribeiro, garante que o arquivo está a ser organizado, quer nas Piscinas Municipais quer nas antigas instalações da PSP, e que nunca houve problemas em encontrar qualquer documento para consulta.

Nesta altura, o processo está mais adiantado nas Piscinas, onde o arquivo se encontra há cerca de 15 anos, embora estivesse completamente desorganizado.

Pedro Ribeiro reconhece que o processo de arquivamento tem de ser melhorado, mas assume que este trabalho, que está a ser feito pelos colaboradores da Câmara Municipal, não é uma prioridade.

Quanto à localização, diz que “enquanto não encontrarmos alternativas vai ficar ali”, apelando a que sejam apresentadas propostas para a localização deste arquivo documental.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.