Coronavírus: Concelho tem 21 camas para acolher utentes de lares em risco

Câmara Municipal e instituições com valência de lar de idosos constituíram grupo de trabalho para criação de resposta integrada, em caso de eventual necessidade de evacuação, no âmbito da pandemia covid-19. O concelho dispõe de 21 camas para estes casos.

Com o objetivo de aprofundar o trabalho que a área de ação Social e Saúde tem vindo a desenvolver no acompanhamento das Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI) e residências de acolhimento, a Câmara Municipal do Cartaxo reuniu ontem, 13 de abril, por videoconferência, o executivo com pelouros, os técnicos municipais de ação social e proteção civil, os Bombeiros Municipais e os representantes e diretores técnicos das instituições que no concelho acolhem idosos e utentes com necessidade de cuidados especiais e que constituem população de risco.

De acordo com a nota do município, nesta reunião de trabalho estiveram em cima da mesa temas como a definição de processos de trabalho que permitam responder de modo rápido e coordenado a uma eventual necessidade de evacuar qualquer uma das instituições com valência de lar de idosos, e a criação de equipas de cuidadores. Até ao momento, informa a autarquia, depois do balanço feito pelas instituições, “não existem casos suspeitos ou confirmados em qualquer instituição”.

O presidente da Câmara Municipal informou as instituições que a autarquia criou zonas de quarentena (zonas de concentração e apoio à população) – instaladas no Cartaxo, na Escola Secundária e no Ateneu Artístico Cartaxense; na Escola Básica de 1º ciclo de Pontével; em Vila Chã de Ourique, no Pavilhão de Festas e na Associação Comunitária de Assistência Social (ACAS); na sede do Rancho Folclórico da Lapa; e na sede da Casa do Povo da Ereira.

A zona de quarentena na ACAS, a única que foi definida pela segurança social para apoio de primeira linha, “tem apenas cinco camas. Desde o início, considerámos que esta zona será útil se for necessário colocar algumas pessoas em isolamento, mas não terá capacidade de resposta se for necessário evacuar um lar de idosos para desinfetar o espaço, por exemplo”, explica Pedro Ribeiro.

Ainda segundo o presidente da Câmara, “uma das primeiras zonas de quarentena que equipámos, a de Pontével, foi criada a pensar nos lares de idosos. Tem disponíveis 16 camas articuladas, espaço de cantina para preparação de refeições, as camas estão distribuídas pelo que eram as antigas salas de aula, o que permitirá isolar grupos de pessoas, de acordo com a sua patologia ou autonomia”.

Mais artigos
1 De 571

Nas zonas de quarentena já ativadas – na Escola Secundária do Cartaxo e no pavilhão de Festas de Vila Chã de Ourique – “estão a cumprir isolamento 32 pessoas, que são apoiadas pelos nossos serviços e por uma rede de voluntários”, solução que a autarquia sabe que “não poderemos reproduzir em caso de necessidade de evacuação de um lar de idosos ou residência de acolhimento, porque sabemos que estes utentes precisam de cuidadores com formação técnica e experiência profissional adequadas”.

De acordo com o município do Cartaxo, todas as instituições presentes na reunião de trabalho consideraram esta iniciativa importante para a preparação de respostas adequadas e, apesar das dificuldades comuns de recursos humanos, todas se mostraram disponíveis para a criação de equipas partilhadas de cuidadores, a ativar em caso de necessidade de evacuar qualquer uma das instituições.

A área de Ação Social e Saúde da Câmara Municipal e as instituições, voltam a reunir esta terça-feira, 14, com a coordenação da vereadora Elvira Tristão, responsável pelo pelouro, para operacionalizar as decisões tomadas ontem em conjunto.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.