Pontével tem Centro comunitário de compostagem

A Ecolezíria disponibiliza centros de compostagem comunitária em cinco juntas de freguesia e um deles fica em Pontével, mais concretamente no Carrascal.

A Ecolezíria, empresa intermunicipal da Lezíria do Tejo de recolha e tratamento de resíduos urbanos disponibiliza cinco centros de compostagem comunitária em parceria com as juntas de freguesias de Benfica do Ribatejo (Almeirim), Glória do Ribatejo e Granho (Salvaterra de Magos), Muge (Salvaterra de Magos), Pontével (Cartaxo) e Alpiarça (Alpiarça).

O projeto de compostagem comunitária tem o objetivo de incentivar a comunidade a transformar resíduos orgânicos em fertilizante natural, contribuindo para a redução da pegada ecológica. “Recorde-se que, no início deste ano, a Ecolezíria lançou uma iniciativa de compostagem doméstica, ‘Adote um Compostor’, que ainda se encontra a decorrer, mas que implica a existência de um terreno para colocar um compostor. A compostagem comunitária vem permitir ‘compostar’ sem ter um compostor em casa”, refere Dionísio Mendes, administrador executivo da Ecolezíria.

A Ecolezíria instalou cinco centros de compostagem comunitária em locais públicos indicados pelas juntas de freguesia, que são constituídos por uma zona de receção de verdes, zona de compostores e zona de receção de resíduos orgânicos provenientes da população aderente. Associado a este projeto cada junta recebeu ainda um biotriturador portátil, um crivo, cinco contentores de 240 litros para armazenamento dos resíduos, cinco carrinhos de mão, entre outros utensílios e ferramentas. A responsabilidade pela gestão do espaço e do processo propriamente dito fica a cargo da junta de freguesia.

Os participantes interessados em aderir no processo de compostagem comunitária numa destas freguesias devem contactar a respetiva Junta para receberem em casa e de forma gratuita um balde de 30 litros e um conjunto de sacos biodegradáveis, onde podem depositar os resíduos produzidos em casa e posteriormente entregar no centro de compostagem. Este balde não necessita estar colocado num terreno. Os sacos protegem o conteúdo a biodegradar.

“Mais tarde, o composto produzido nos centros de compostagem pode ser reutilizado pelos participantes na fertilização das suas plantas ou ser canalizado para fertilização de espaços verdes públicos”, clarifica Dionísio Mendes.

Ler
1 De 65

Esta iniciativa, cofinanciada pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR), visa incentivar a população a reaproveitar os resíduos biodegradáveis produzidos em contexto doméstico, transformando-os num produto rico em nutrientes, denominado composto, ótimo para utilizar como fertilizante natural. A aplicação desta técnica permite reduzir significativamente o envio de resíduos devolvendo à terra o composto naturalmente produzido.

Esta ação faz parte de uma estratégia global da Ecolezíria que dá o mote à campanha “A Rua é a Casa de Todos”, e que pretende assegurar o cumprimento das metas definidas pela União Europeia para a reutilização e a reciclagem de 55% dos resíduos urbanos em 2025 e 65% em 2030.

A Ecolezíria diz ter ainda “outras fortes apostas deste projeto mais vasto, como a implementação de projetos piloto de recolha de resíduos porta a porta, a criação de mais e melhores pontos de recolha de resíduos urbanos bem como de resíduos recicláveis, a divulgação da recolha adequada de monos e monstros, como entulho de obras ou objetos domésticos como móveis, colchões, entre outros, por parte das autarquias, entre diversas outras ações que visam melhorar a qualidade de vida em todos os municípios da Ecolezíria”.

Pode gostar também