Possível resgate das águas do Cartaxo gera discussão acesa entre Gaspar e Ribeiro

Mesmo não querendo, por agora, “assumir uma posição definitiva” sobre o tema, a coligação Juntos pela Mudança (PSD/NC) considera que contrair mais um crédito para resgatar o contrato com a Cartágua é “pôr uma pedra tumular em cima do futuro de gerações e gerações”, depois de Pedro Ribeiro dar conhecimento da avaliação do município a um possível resgate do contrato das concessões de água e saneamento.

Pedro Ribeiro abordou o tema da possibilidade de resgate do contrato com a Cartágua na sessão de Câmara, realizada na passada segunda-feira, 19 de novembro, dando conta da reunião já realizada com o FAM, tal como anunciou na semana passada, e das que se hão de seguir, nomeadamente com a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, acompanhada do secretário de estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, e com a entidade reguladora (ERSAR). “Todos estes passos estão a ser dados com o conhecimento da Cartágua, numa relação que se quer leal e transparente”, informa o presidente da Câmara do Cartaxo, comprometendo-se a agendar uma reunião com a empresa concessionária da água e saneamento do concelho.

Segundo o presidente, esta possibilidade de resgate das concessões de água e saneamento prevista no Orçamento de Estado 2021, implica “duas premissas que os municípios vão ter de salvaguardar”: uma delas é a demonstração do interesse público, ou seja, se há benefício no resgate de uma concessão; outra é a capacidade de os municípios de recorrer a esse resgate, que significa reforçar um empréstimo para indemnizar a concessionária, ou seja a demonstração do cumprimento da dívida.

“Prudência é a palavra de ordem”, diz o presidente, sublinhando que é necessário “avaliarmos bem o que temos em cima da mesa para tomarmos boas decisões, que sejam sustentáveis do ponto de vista financeiro e que assegurem que o município tem soluções melhores do que aquelas que temos hoje”.

Depois disto, e ainda que valorizando o facto de o presidente ter dado nota deste assunto, dias antes, à oposição, o vereador dos Juntos pela Mudança (PSD/NC), Jorge Gaspar, não quis assumir “uma posição definitiva”, embora não deixasse de registar que passados dois mandatos de Pedro Ribeiro, como presidente da Câmara Municipal do Cartaxo, “a solução que tem para as águas e saneamento do Cartaxo é pagar e passar um cheque à empresa para ela se ir embora”. Para além disso, e entre outras considerações, Jorge Gaspar assinalou o facto de “a Câmara Municipal do Cartaxo, endividada por mais 30 anos, no mínimo, se permitir pensar em mais um crédito para resgatar uma gestão”. “O Cartaxo está como está e se levar com mais um crédito em cima então é, de facto, pôr uma pedra tumular em cima do futuro de gerações e gerações”. Jorge Gaspar mostrou-se ainda “curioso por perceber quais são as razões que vai invocar”, visto que nos últimos anos, tem ouvido o presidente dizer “que a Cartágua cumpriu o plano de investimentos e que a qualidade da água é excelente”.

Pedro Ribeiro não gostou de ouvir o vereador da oposição dizer que a sua solução é “passar um cheque à empresa para ela se ir embora”, frisando que o que se pretende, tendo pela primeira vez esta possibilidade, é avaliar com “prudência” os prós e os contras de um possível resgate, passando a gestão para a esfera pública.

Mais artigos
1 De 536

Esta é uma notícia que vamos desenvolver na edição em papel de novembro. Acompanhe.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.