Agricultura biológica. Afinal o que é exatamente?

Folha Agrícola por Hugo Vieira
Há uma tendência, hoje em dia, de se preferir produtos biológicos em detrimento do que é produzido em agricultura convencional (apenas se pode produzir em Produção Integrada – hoje em dia, toda a agricultura realizada na União Europeia deve ter em conta os princípios da Produção Integrada. Este tipo de agricultura indica, entre outras medidas, que antes de qualquer “tratamento” realizado, deve ser observado o “Nível Económico de Ataque”, ou seja, só “tratar” quando a cultura está em risco e com o produto apropriado e aprovado para a cultura). Mas sabemos o que é a Agricultura Biológica? Ou melhor, o Modo de Produção Biológico (MPB)?

A produção em MPB visa combinar práticas de proteção ambiental, dos solos e bem-estar animal com vista à redução da utilização de adubos e fitofármacos de síntese, recorrendo para tal a práticas alternativas e a uma maior rotatividade de culturas, utilização de estrumes e fertilizantes orgânicos.

Falso – A Agricultura Biológica não utiliza produtos pesticidas.
Falso. Um “pesticida” é um produto destinado a matar um organismo, seja ele inteiramente de síntese ou de extração natural. O MPB permite a utilização de pesticidas aprovados para este tipo de produção e, tal como os restantes, encontram-se regulados os Limites Máximos de Resíduos (LMR) presentes nos alimentos dos pesticidas aprovados para qualquer substância ativa (Exemplo: Spinosade, um dos inseticidas mais utilizados em MPB e que tem um LMR definido). As próprias plantas produzem pesticidas. Os exemplos mais conhecidos são a cafeína e nicotina que são produzidos pelas plantas para matar os insetos que se alimentam delas. Sim, ir tomar a bica com o cigarrinho pode ser considerado uma dupla ingestão de “pesticidas naturais”.

Talvez – Eu compro a um senhor que diz que produz tudo biológico.
Será? Para produzir em MPB o produtor tem de ser alvo de inspeções de um Organismo Certificador, que vai confirmar se, de facto, o senhor utiliza as melhores práticas de conservação do solo, se pratica uma rotação de culturas adequada, e se utiliza apenas os produtos e sementes autorizadas, e não vai, volta e meia, comprar “o remédio para os caracóis”, ou “o produto para o bicho”… Não é somente por vir da horta do vizinho que o produto é Biológico.

É mesmo – O Modo de Produção Biológico favorece o ambiente.
Sim. O MPB não é uma norma de segurança alimentar e não torna os alimentos por si mais nutritivos que os restantes. O MPB favorece sim uma gestão do solo e da exploração agrícola mais enquadrada com a biodiversidade e a favorecer o aumento de matéria orgânica no solo.

Qual é afinal melhor ou pior?
Depende. Mas falarei mais deste assunto na edição online do Folha Agrícola do Jornal de Cá.


Ler
1 De 323


Hugo Vieira é consultor Agro-Alimentar

Pode gostar também