Frederico Corado encena peça no Casino de Lisboa

O encenador Frederico Corado, mentor da Área de Serviço, abraçou mais um projeto, desta vez, de encenador residente na comédia ‘A peça que dá para o torto’, que estreia em fevereiro de 2020 no Auditório dos Oceanos, no Casino de Lisboa, e que é trazida a Portugal pela mão da UAU, que está a comemorar 30 anos.

Um projeto que nasceu “há quatro anos e meio. Eu vi esta peça em Londres e depois de muitas conversas com o Paulo Dias (UAU), ele também a queria fazer, eu queria fazê-la, e acabámos por chegar à conclusão que fazíamos juntos. Ele trazia a peça e eu acabava por ficar como encenador residente, porque a peça é um replica show, e vinha uma encenadora inglesa fazer a peça”, conta o encenador.

Um replica show é um espetáculo em que, neste caso, os atores são portugueses, mas toda a produção é internacional. Quer isto dizer que guarda-roupa, música, desenhos de luz, cenários ou adereços são iguais em todos os locais onde a peça é apresentada.

Apesar de este espetáculo ter de respeitar, na íntegra, o original, o mesmo não se aplica exatamente ao texto, já que nem tudo é recebido pelos diferentes públicos da mesma forma. Por isso, “a tradução e a adaptação já estão a contar com isso. E eu com a Hannah (Sharky) tenho de estar a fazer isso. Já fomos, até, combinando certas coisas, temos estado com um contacto muito próximo. Há coisas que eu sei que não funcionam aqui e que lhe vou dizendo que não vai funcionar, que o público não vai reagir da mesma forma”, explica Frederico Corado.

Esta comédia “é um espetáculo muito físico, o cenário desmancha-se todo… é um espetáculo muito complexo, tem lutas de espadas, tem várias coisas… todo ele é muito complexo”, adianta Frederico Corado, realçando que “o meu trabalho com a Hannah Sharky vai ser fantástico para mim, porque vou aprender imensa coisa. É um espetáculo onde eu vou crescer muito enquanto encenador”, acredita.

Mais artigos
1 De 2

‘A peça que dá para o torto’ retrata a ida da Sociedade Recreativa e Cultural do Sobralinho ao Auditório dos Oceanos levar à cena uma peça ao estilo de Agatha Christie, onde tudo corre mal. “Nós vamos assistindo à progressiva e total decomposição da peça e à maneira como vários atores vão tendo ataques de nervos extraordinários e o caos se vai apoderando de tudo aquilo que acontece em palco”, conta Nuno Markl, responsável pela tradução do texto. “Toda a gente gosta de olhar para acidentes e, obviamente, isto é um acidente contínuo. É uma peça hilariante”, resume Nuno Markl.

Em palco estarão Alexandre Carvalho, Cristóvão Campos, Igor Regalla, Inês Castel-Branco, Joana Pais de Brito, Miguel Thiré, Telmo Mendes e Telmo Ramalho. A tradução e adaptação é de Nuno Markl e a encenação é de Hannah Sharky e de Frederico Corado, encenador residente.

Os bilhetes já estão à venda e podem ser adquiridos, on-line, a metade do preço para as sessões de 12 a 16 de fevereiro. Para usufruir desta promoção, basta inserir o código uau30anos.

Pode gostar também

Comentários estão fechados.